Sunday, July 11, 2004

Equipes S/A

Caros e Caras,
Paz e saúde!

Cinco anos atrás, o diretor presenteava os novos contratados com uma fábula sobre a equipe italiana de remo. Aos estrangeiros, como forma de esclarecer sobre um comportamento típico da maioria dos italianos. Aos italianos, para que tivessem mais atenção quanto a importância do trabalho de grupo.

A equipe italiana de remo

Todos os anos acontece uma competição entre uma equipe de remo italiana e uma japonesa. São oito pessoas em cada barco, com regras, percurso e limites do equipamento bem definidos.

Os organizadores italianos estão muito preocupados, pois a cada ano a equipe deles perde com uma diferença maior, em relação ao ano precedente. Na penúltima edição da competição, a equipe japonesa chegou um quilômetro à frente. Decidiram que era hora de mudar alguma coisa.

Inicialmente substituíram todos os componentes e esclareceram aos novos participantes a função de cada um. A equipe foi montada da seguinte forma: um remador, um supervisor de remo, um orientador, um gerente de equipamento, um navegador, um supervisor de navegação, um inspetor geral e um presidente da equipe, que acabou sendo obrigado a acumular a função de comandante do barco, em respeito ao limite máximo de oito pessoas por equipe.

Todos se concentraram e treinaram com afinco, estudando estratégias, variações meteorológicas, percursos alternativos e táticas modernas. No mesmo ritmo, o remador treinava oito horas por dia. Quatro horas de remo e outras quatro alternadas entre exercícios específicos e teoria de remo. Numa demonstração de empenho, os organizadores contrataram um consultor para manter a união e a moral alta da equipe.

Perderam a última competição com uma diferença de três quilômetros. O barco dos japoneses há anos conta com as mesmas pessoas, tendo um ancião ao comando e ditando o ritmo através de um pequeno tambor de som grave, enquanto os outros sete remam obedecendo o ritmo cadenciado e veloz.

Imediatamente o remador italiano foi demitido por escasso resultado, não tendo alcançado o objetivo estabelecido. Aos outros membros, foram reconhecidos o esforço e aplicação e todos os sete receberam um bônus em um jantar de confraternização, onde os organizadores aproveitaram para estabelecer as modificações e as novas metas a serem atingidas no ano seguinte. Ao comandante foi presenteada uma miniatura do barco italiano e todos terminaram a noite com a sensação do dever cumprido, apesar de lhes ter faltado a vitória.

Atualmente a equipe italiana oficializou a contratação de um novo remador, e estão analisando materiais alternativos para a construção de um novo barco.

***
Cumprindo a segunda promessa, aqui vai uma receita para o inverno brasileiro. Lembrem-se que a cozinha italiana conta com entrada, primeiro prato, segundo prato e sobremesa (no mínimo). Essa receita é de um primeiro prato, que é sempre uma massa ou risoto. O segundo prato fica por conta de cada um. Outra coisa, assim como feijão não combina com peixe, queijo ralado também não. Mas como essa receita leva molho branco e peixe defumado, o queijo ralado pode ser admissível, mas em pequena quantidade. Lembrem-se de deixar a massa ligeiramente crua, para que esteja ao dente no prato. Quanto ao vinho, poderia sugerir um verdicchio ou um vinho branco não muito marcante, como um Pinot Griggio, por exemplo.

Ingredientes:
Massa – de preferência uma massa curta que possua cavidades para reter o molho.
Farinha de trigo
Leite morno
Manteiga
Caldo Knorr
Sal
Salmão defumado – considere 30 gramas por pessoa

Dissolver o caldo Knorr na água do macarrão ainda fria e adicionar o sal. Levar a água ao fogo. Em uma frigideira grande (grande!) colocar uma colher de manteiga e adicionar o salmão defumado previamente desfiado. Quando a manteiga derreter completamente, desliguar o fogo e reservar. Em um panela, deixar derreter um colher de manteiga com duas colheres rasas de farinha de trigo, misturando sempre. Trabalhar com o fogo baixo. Quando a manteiga com a farinha estiverem bem misturadas, ir juntando o leite morno aos poucos, sem deixar de misturar. Adiconar o resto do leite e apagar o fogo antes da fervura. Escorrer a massa e (não precisa escorrer toda a água) e misturar ao salmão na frigideira. Adicionar o molho, misturar e servir.

Vão treinando. Quando eu for ao Brasil prometo dar minha nota a cada um. E caprichem na sobremesa.

Ciao.

18 comments:

Anonymous said...

...Tava uma delícia!
Neco

Anonymous said...

Allan,
Valeu a dica. O almoço foi uma delícia, mesmo não tendo encontrado o tal verdicchio e tendo que me contentar de um branquinho que estava na geladeira.
Quanto a equipe italiana, quer dizer, a fábula, mostra bem o espírito do europeu, arrogante e somente capaz de acreditar que eles (e somente eles) têm a capacidade de comandar. A vida é muito mais simples quando se pensa simples. Abração do Wander

Anonymous said...

Imagens? nadica de nada? vc ainda nao aprendeu a colocar imagens no teu blog? coliseu? david? aquela fonte famosa? venezia? cadeh? cadeh? cadeh?
pedroluis

Denise Arcoverde said...

Oi, Allan, muito interessante a fábula... eu tenho sérios problemas com hierarquia... por isso sempre trabalhei em ONGs :) vamos ver como vou conseguir me virar nos EUA. Quanto ao peixinho, sou um desastre na cozinha, mas vou agradecer eternamente se, um dia, você postar um belo prato vegetariano :)

Denise Arcoverde

Anonymous said...

Eh povinho complicado!
Marcus

Denise Arcoverde said...

Super obrigada pela receita... vou tentar agorinha... ;)

Fabricia said...

Claro que pode nos linkar Allan! E valeu pelo comentário!
Beijos da Elefante! http://www.cobrajacareelefante.blogger.com.br

Manoel Carlos said...

Grato pela visita ao Agreste.
Aqui, além de falar em comida, você dá a receita.
Alguém me pediu a receita de bobó de camarão, creio que publicarei, seguindo o seu exemplo.
Evidentemente retornarei.

Anonymous said...

Adorei a receita! Vou começar a treinar... :-)

E muito boa a fábula. É um comportamento típico por aqui tb.

Anonymous said...

Essas fábulas servem, sim, para nos ensinar mais sobre as pessoas e o que esperar delas, mas confesso que as acho um pouco preconceituosas. No caso, o preconceito era do diretor contra os próprios subordinados: ele pode mandar. Os outros devem obedecer.
Mesmo assim ri um bocado.
Vou tentar a receita hoje. Depois te conto.
Lenine

Anonymous said...

Olá, Allan.
Visitei seu blog pela primeira vez e me arrependi por não tê-lo conhecido antes. Seus textos são ótimos!
Vou voltar sempre.
Virgínia

Leila Silva said...

Allan,

Li seu comentario no blog da Denise e fiquei com agua na boca...hum, delicia. Ai decidi passar por aqui, delicia tb.
Abracos
Leila
http://cadernos-da-belgica.blogspot.com/

Leila Silva said...

Allan,

Obrigada pela visita...sim, ainda vivo em Bruxelas.
Abracos
Leila

Anonymous said...

Bom dia, Allan. Passamos por aqui para nos deliciarmos mais uma vez. A Gaia irá fazer a tua receita hoje à noite. Temos a ccerteza de que iremos nos deliciar anida mais. Divina a fábula! divertida e espelha detalhes da realidade européia. Maldosamente divertida.

Frank & Gaia

Anonymous said...

Allan,
Todos os dias visito o teu blog para ler as novas. Infelizmente você não escreve todos os dias e eu acabo passando vontade. Aí visito os blogs aconselhados por você e vou descobrindo um manancial de idéias e bons escritores. Mas volto sempre à fonte!
Obrigado pelas receitas pelas observações inteligentes e sensíveis sobre a Itália.
Abração,
J I Loyola loyola@hotmail.com

Milton said...

Amigo Alan.

Quem é Mônica Salmaso? Visite o site http://www.monicasalmaso.mus.br/ . É o site oficial da cantora. Ela está naquele ponto de já ser uma cantora conhecídíssima e admiradíssima por aquelas pessoas que acompanham a cena musical da MPB independente. Porém, ainda é pouco divulgada na grande mídia. Os CDs Iaiá e Afro-sambas não nada menos que obras-primas e no site eles podem ser comprados, assim como os outros.

Grande abraço. Milton.

Senhor Cafeteira said...

Gostei muito do seu blog, parabéns. Você escreve muito bem.

No fim desse mês devo ir para Bologna, para resolver o lance da cidadania italiana. Ainda não conheço a Itália.

Estarei acompanhando seus escritos...

Um abraço.

Anonymous said...

Se continuar mandando receitas, o seu blog será o mais lido da internet. Os seus textos também são bons, mas as receitas são melhores. eh eh eh
Mirko