Sunday, October 28, 2007

Que horas são na Itália?

Em 1916 a Itália adotou o horário de verão pela primeira vez. Desde então, essa prática de economia energética foi abolida e readotada diversas vezes. Em 1966 iniciou-se um ciclo que não se interrompeu mais, mudando apenas a duração do que, na Itália, se chamaora legale”. Em 1996 foi instituído que o horário de verão inicia no último domingo de março e termina no último domingo de outubro.

Fazendo as contas, resulta que o fuso horário entre Brasil e Itália é de três horas, de novembro a março, e de cinco horas, de abril a outubro, considerando os estados brasileiros que adotam o horário de verão. Ou, ainda, conclui-se que a “ora solare” italiana dura apenas cinco meses.

Quem se ocupou dos próprios afazeres durante as aulas de geografia pode achar estranho, mas em um país atravessado pelo Paralelo 45º é preciso levar em conta o vai-e-vem da luz solar. Durante o inverno o dia dura apenas oito horas, mas durante o verão o sol chega a nascer às 4:30 h. e vai se pôr às 22:00 h. O que obriga ao uso de janelas que se fecham completamente, sob pena das crianças se recusarem a dormir com o sol ainda brilhando fora.

Durante o inverno, neve, frio e uma noite que começa às quatro, quatro e meia da tarde. Haja humor para se adaptar. As bicicletas dão lugar aos carros mofados nas garagens, aos ônibus abandonados no verão e à impressão de estar perdendo algo.

A estimativa de economia com o horário de verão italiano beira os 650 milhões de kilowatt, o que deve ser energia pra xuxu, pois custaria algo próximo a 100 milhões de euros. Mas o consumo de café aumenta, assim como o de grappa e de roupas pretas.

O humor das pessoas acompanha a quantidade de luz do sol: no verão, as festas, praias e piscinas são invadidas por corpos bronzeados alegres e desinibidos. Transgressivos, até. No inverno, branquelos bêbados insones e moralistas dirigem sobre a neve na escuridão.

Por que os seres humanos não reaprendem a migrar?

.

13 comments:

Alex Castro said...

eu nunca entendi pq o ser humano saiu do oriente medio e da africa e foi se enfiar nas oropa... eh inacreditavel! e pior, quando chegaram a europa tava cheia de neandertais, ou seja, ainda tiveram que brigar por ela!

Flavio Prada said...

Lugares com clima constante são de um tédio assustador. Quase tanto quanto as pessoas de idéias constantes.

marcelo said...

o flavio escreveu exatamento o que eu estava pensando.

Assustador...

abraço!

Manoel Carlos said...

Quem deveria responder sua pergunta deveria ser você mesmo, um migrante que se fixou, :0)
Curiosamente, a região Nordeste, extremo leste do Brasil, que deveria ter sempre uma hora adiantada em relação a Brasília, não adota o horário de verão, jamais entendi a razão.
Inúmeras vezes você destacou, de forma peculiar, esta relação entre mudnaça climática e humor dos italianos.

Claudio Costa said...

Assim como existe a 'febre do feno', há uma tal de 'depressão sazonal', descrita em manuais de psiquiatria: piora do humor, aumento de abuso de substâncias e outros sintomas depressivos durante os meses de pouco sol. Nos países nórdicos isto é mais evidente (o povo diz que se acostuma... mas o psiquismo paga!).

Sandra said...

Uai!! Mas foi tu que se mandou!!!

Yvonne said...

Allan, como nunca morei fora do Brasil não tenho condições de opinar. Só sei que por duas vezes fui à Europa no verão e me senti incomodada com o sol que nunca se punha. O Flavio Prada falou que deve ser um tédio morar em um lugar com clima constante, confesso que naõ entendi, rsrsrs.
Beijocas

Georgia said...

Oi Allan, também postei sobre o mesmo tema que você, (rs)

Eu adoro o horário de inverno, pois adoro jantar à luz de velas acompanhado de um bom vinho tinto. Fora o delicioso cafezinho à tarde e biscoitos amanteigados.

Boa semana

Marcio Nel Cimatti said...

Pois é aqui na Holanda é o mesmo. O humor começa a mudar e as pessoas se escondem em casa esperando que o sol aparece por mais tempo novamente!

Gostei do blog, estou linkando no meu!

Abs!

Sonia said...

Migrar, meu caro, só era possível quando não existiam fronteiras, passaporte, visas... Meu pai dizia que provavelmente no século atual Philleas Phogg perderia sua aposta graça à burocracia.

Dona Minhoca said...

Seria fabuloso voar para o Sul no inverno e voltar, gloriosa, para o Norte no verão. Pena que minhocas não têm asas.

denise said...

Não consigo imaginar, mas eu acho que gostaria dos dias longos e detestaria quando anoitecesse cedo.
Parece que andas irritado né não?
abraço, garoto

denise said...

Allan, tem emails do pessoal d o Faça a sua parte. Dá uma olhadinha lá.
abraço, garoto