Saturday, September 22, 2018

Andrea Camilleri - talento italiano



Camilleri nasceu em 6 de setembro de 1925, na pequena Porto Empedocle, província de Agrigento, na Sicília. Vive em Roma desde os anos Quarenta.

Muito antes de se tornar escritor, foi diretor de teatro, roteirista, dramaturgo e professor da Academia Nacionale d’Arte Dramatica. Sua carreira como escritor começou em 1978 com “Il corso delle cose”, escrito dez anos antes. E não parou mais (exceto por um período de doze anos, entre os anos oitenta e noventa). Com diversas honrarias, prêmios e homenagens, Andrea Camilleri é um patrimônio vivo.

Alguns romances de Camilleri são escritos em vigatês, uma língua inventada por ele que mistura expressões de dialetos sicilianos com a língua italiana, respeitando a estrutura da escrita italiana. Não se trata simplesmente de inserir termos dialetais nas frases, mas um trabalho árduo de encaixar vocábulos que coincidam com aqueles da língua oficial tanto no sentido como na sonoridade. Essa língua inventada diverge das primeiras obras do escritor, quando respeitava rigorosamente as regras da literatura italiana – poesias premiadas, admiradas e respeitadas pela crítica e escritores. Apesar do sucesso, abandonou a poesia quando se interessou pelo teatro, passando a escrever contos e crônicas. Até quando decidiu escrever peças teatrais e descobriu não ser capaz de obras mais longas com suas palavras e deixou de escrever, seja em verso que em prosa. Descobriu, anos mais tarde, obras literárias escritas em dialeto siciliano, que o fizeram voltar a ter vontade de escrever. A língua exclusiva de Camilleri começou quando acudia seu pai em fim de vida no hospital, contou-lhe uma história que gostaria de publicar, mas que não era capaz de compô-la em italiano. Foi seu pai quem sugeriu de escrevê-la como ele tinha acabado de contar.

Vigata também é uma cidade inventada por ele. Ficaria na província de Montelusa (também inventada), na Sicília. “Agrigento sarebbe la Montelusa dei miei romanzi, però Montelusa non è un’invenzione mia ma di Pirandello, che ha usato questo nome molte volte nelle sue novelle: l’Agrigento di oggi la chiamava Girgenti e anche Montelusa, e io gli ho rubato il nome, tanto non può protestare”. [Agrigento seria a Montelusa dos meus romances, mas Montelusa não é uma minha invenção, mas de Pirandello, que usou esse nome muitas vezes nas suas novelas: a Agrigento de hoje a chamava Girgente ou Montelusa, e eu roubei dele, já que ele não pode reclamar mesmo].

Rebelde – foi expulso do colégio episcopal por ter jogado ovos num crucifixo – simpático e divertido, é chamado de “Maestro” [mestre, em italiano] e reverenciado até por seus poucos desafetos políticos. Suas entrevistas são deliciosas e nos faz refletir sobre como um senhor de 93 anos sobrevive fumando tanto. Há pouco tempo Camilleri ficou cego. “Fiquei cego mas meus sonhos são coloridos”, afirma rindo.

Apesar dos muitos livros que escreveu – e que continua escrevendo –, seu personagem mais famoso é o comissário Montalbano, da série policial que foi parar na tv e no cinema. Montalbano è um policial inteligente, com pouca paciência, que entende como ninguém os costumes sicilianos, inclusive a relação com a Máfia. O nome è uma homenagem ao escritor espanhol Manuel Vázquez Montalbán, criador de um outro personagem “Pepe Carvalho”. Para não deixar o personagem incompleto, Camilleri escreveu – há mais de uma década – a morte do comissário, que deve ser publicada num livro póstumo e que está guardado na gaveta do seu editor. O sucesso è imenso. Apesar disso, conheço leitores italianos que nunca leram Camilleri. Alguns, por desistirem da da leitura na primeira página, por causa da linguagem quase cifrada do autor, impressão que tenho trabalhado em mudar. Pessoalmente considero Andrea Camilleri o maior romancista italiano atual. E adoro o divertido dialeto inventado. Acho que seria uma justa homenagem se Porto Empedocle mudasse o nome para Vigata. Se você nunca leu, aproveite para conhecer e se deliciar. E prepare-se para rir muito. Nunca li Camilleri em português, e não ousaria: não há como traduzir a intrincada língua.

  Montalbano na tv (em italiano): Rai Play

Montalbano no cinema: Il Commissario Montalbano: Amore

Site de fãs de Camilleri:  Vigata.org

Entrevistas de Cammileri para o projeto “La Banca Della Memoria”: la banca della memoria

 Site oficial: Andrea Camilleri

. 

No comments: