Friday, October 25, 2013

Em cartaz na cidade







O evento já passou – e eu não fui – , mas vale o registro criativo do cartaz. 

Em Bolonha, a terra da mortadela, rolou a festa do tradicional emburido local. O charme do cartaz é o smile feito a partir de uma fatia de mortadela. Na Itália usa-se dizer “è qui la festa?” ao chegar (como penetra ou convidado) numa festa concorrida. Acontece que a moda é dizer “festa” com a língua entre os dentes ao pronuciar o s, fazendo-o quase desaparecer. E fetta, em italiano, é fatia. Não faz muito sentido traduzir, mas para quem domina o italiano a mensagem é divertida:

:P
È qui la fetta?  
  





O filme “La grande bellezza”, de Paolo Sorrentino, foi indicado como concorrente italiano ao Oscar 2014 na categoria de melhor filme estrangeiro. Voltou correndo em cartaz e foi o nosso programa de sábado passado.

O filme começa com a festa de aniversário pelos sessenta e cinco anos do jornalista Jep Gambadella, interpretado pelo carismático Toni Servillo. Inevitável a analogia com “Encontrando Forester” de Gus Van Sant, com Sean Connery no papel de Willian Forrester, um escritor recluso após ter escrito um único livro. De qualquer forma, Jep Gambardella também é recluso no seu mundo, também escreveu um único livro e, assim como Forrester, convive com a cobrança por um segundo best seller.

O filme foi ambientado e filmado em Roma (a verdadeira Grande Bellezza) com uma fotografia que lembra muito “La Dolce Vita”, de Fellini, mas que já não ostenta os personagens de então. Ao contrário, novos ricos, prostitutas, criminosos e uma fieira do que há de pior na sociedade é que compõem as personagens da elite romana desse 2013, maculando o cenário milenar da cidade. Sim, Roma sempre conviveu com toda espécie de escória humana, mas nunca tão sob os holofotes.

Sorrentino conduz a decadência da sociedade romana numa agonia lenta e fútil, mas de forma divertida, cometendo apenas pequenos deslizes ao exceder-se em alguns diálogos, numa necessidade de explicar o que poderia ser intuído. Mas o filme é bom, atual e poéticamente real. Além do próprio Servillo, há que se cumprimentar as atuações de Carlo Verdone e Sabrina Ferilli. 

Vá assistir.
 

8 comments:

myra said...

sim eu tbem gostei do poster!! e gosto de mortadella!
eqto ao film do qual voce fala deve ser otimo, pena que nao vou ver!
abraco

Sissym Mascarenhas said...

Allan,

Tenho curiosidade para saber se a mortadela aí é 1000x mais gostosa do que aqui. Eu não gosto muito do sabor, raramente como.

Quanto a ser penetra... kkkkk... era uma especialidade minha e de alguns membros da turma. Muitas vezes 1 era o convidado real que levava a tropa toda. kkkkkk


Bjs

Anonymous said...

Valeu a dica!
Estava em dúvida se ia assistir ou não esse filme. Agora vou. rss

Marilia

Lunna said...

Brincadeiras da língua a parte, sempre me divirto com os sabores que se igualam e diferenciam. Não como nem aqui e muito menos lá e como explicar aos que encontro cá? rs

bacio

Celia na Italia said...

Mortadela, amo especialmente as daí.
Roma, uma bela mistura difícil de esquecer.
Filme, boa dica!
Do fim de semana sobrou o domingo, vamos aproveitá-lo e sonhar com a possibilidade de em breve visitar terras Italianas.
Isto, é D+
Super abraço

Claudinha ੴ said...

Olá Allan!
Eu sempre tive vontade de participar de uma festa assim. Minha cunhada ia sempre e dizia que era deliciosa, mas não conseguia trazer... :(
Um bom filme, ainda mais indicado a prêmio é certamente um bom programa. Sinto pois aqui desativaram o cinema. Temos que ir à cidades próximas...
Abraço!

Bah said...

Achei que a mortadela fosse um sorvete auhaua vim correndo ver, mas me decepcionei pq eu não curto muito mortadela rss

Kisu!

Bruxa do 203 said...

Mortadela é muito bom!!

Assim que estrear por aqui, vou assistir!!!! O tema é bem interessante. Gosto desse tipo de filme.