Sunday, March 31, 2013

A Páscoa de Sonja




Ottone é um daqueles lugares escondidos dessa terra. Cidadezinha da província de Piacenza perdida na montanha, na divisa entre as regiões Emilia-Romagna e Liguria. A estradinha sinuosa montanha acima não é aconselhada após as refeições. Barchi [bárki] é uma fração de Ottone, mais distante ainda. Oitocentos e trinta metros acima do nível do mar de Genova, logo ali na Liguria. E é em Barchi onde mora dona Sonja [a pronúncia é sônia].

Sonja mora numa das poucas casas do vilarejo de pedra e é a responsável pela manutenção da antiga igreja, orgulho de Barchi. Com quase cem anos, ela aponta o clima de montanha e a alimentação saudável como responsáveis pela infinita energia: acorda com as galinhas, cuida da horta, limpa a igreja, colhe frutas, faz almoço, cuida da casa e encontra tempo para organizar o lanche da tarde dos parentes que moram por ali. Mora sozinha e a única vez que esteve no médico, foi para pedir algo para combater a insônia. Tem sempre alguém que traz da farmácia de Ottone as gotinhas que a faz dormir. Se adormenta na poltrona e acorda às onze da noite para tomar o remédio e ir dormir na cama. No silêncio da noite de Barchi, é possível escutar a colherzinha misturando o remédio no copo, sempre na mesma hora.

Sonja passa o ano pintando ovos de galinha para distribuir durante a Páscoa. São os ovos pintados mais bonitos e impressionantes deste mundo. Os motivos foram mudando com o tempo: no início eram santos e cenas bíblicas. Depois, ovelhas, casas e até tratores. Ultimamente ela vinha pintando carros, paisagens tropicais, dinheiro e até mulher pelada. Os ovos começam a ser disputados e tem gente que vem de longe querendo comprar. Mas a Páscoa para Sonja é uma dádiva, o período de renascimento e não tem preço. Os presenteados são eletricistas, funcionários públicos, carteiros e qualquer pessoa que tenha ido a Barchi por algum motivo real, nessa época. “Os meus ovos refletem o desejo das pessoas” disse ela, que nem televisão possui.

Nesse ano ela pintou seus ovos de galinha como ovos de chocolate e com cenas de orgias apocalípticas. Sempre de bom humor, Sonja decidiu que os agraciados podem escolher entre o consumismo e o fim do mundo imoral. “Ninguém mais deseja santos ou tratores. Nem ganhar dinheiro as pessoas querem mais. Ganhar dinheiro dá trabalho e a gente quer mesmo é gastar, consumir e esperar que o mundo acabe em orgia”, diz.
.

17 comments:

✿ chica said...

゚・*:.。. .。.:*・゚・*:.。. .。.:*・゚・*

Que linda história essa da D.Sonja e achei muito interessante ela ter todo esse trabalho e dividir. Lindo!!
Feliz Páscoa!

abraços,chica

゚・*:.。. .。.:*・゚・*:.。. .。.:*・゚・

myra said...

adorei a Sonja!!!! e logico voce:))
beijos

Bruxa do 203 said...

Que história linda! E conseguir viver dessa maneira em plena época da tecnologia não é para qualquer um!

Thais Miguele said...

Dna. Sonja muito esperta. Já descobriu qual é a do mundo agora.

Gaspar de Jesus said...

Bela história esta da Dona Sónia. Para além de tudo o resto, e é muito, o que mais retive é o sentimento da dádiva, tão em desuso nos tempos que correm.
Abç
G.J.

Bah said...

Eu ACHO ovos pintados a coisa MAIS linda! Quanto mais incrementado, mais lindo eu acho... principalmente os "rendados"...

Uma ótima Páscoa!

Kisu!

Anonymous said...

Que lindo,Allan!Fiquei fascinada pela história e pela D Sonja!Tenha uma linda semana! Bjs Inté!Cirlei

Luma Rosa said...

Sonja consegue fazer tudo isso e ainda ter insônia porque não tem marido. Lembro que quando era solteira meu tempo rendia muito mais (rs*)

Como não é costume no Brasil presentear as pessoas com ovos de galinha e considerando que Sonja pinta o ano todo... como faz para o ovo não ficar "passado" ou isso faz parte da orgia?

Fiquei pensando no tema escolhido para o próximo ano, pois a cada ano, Sonja parece que fica mais ousada.

Allan, como você já participou do BookCrossing Blogueiro vim lhe fazer o convite para o 6º BookCrossing Blogueiro que acontecerá do dia 16 ao dia 23 de Abril.

Ficarei feliz com a sua presença, participando ou ajudando a divulgar!

"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo e esquecer os caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia; e se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." (Fernando Teixeira de Andrade)

Que seu domingo de páscoa tenha sido muito bom, com a família reunida e muitos ovos da Sonja!

Beijus,

denise rangel said...

'escolher entre o consumismo e o fim do mundo imoral' nem é preciso pensar muito para saber qual a escolha da maioria da população, não?
abraço, garoto

Elenir Giusti said...

Allan ,obrigada por nos trazer notícias e imagens tão vivas e recheadas de poesia desta nossa terrinha maravilhosa! Bacioni !

Teresinha said...

Olá Allan,
Acho lindo esses ovos pintados. Uma verdadeira arte e paciência.
Fiquei aqui viajando entre as suas palavras e percebendo cada detalhe descrito por você.
Muito bom...

Celia na Italia said...

Ela deve ter uma alma iluminada, qta vitalidade!
Ler o teu relato sobre uma cidadezinha assim, dá uma saudade dos finais de semana onde pegávamos o carro e percorriamos cidades como esta.
Qta beleza!!!!
Um grande abraço e obrigado por me trazer recordações tão especiais!!!!

Claudinha ੴ said...

Olá Allan!
A vivência trouxe a liberdade artística de Dona Sonja... Isso não tem preço!
Eu fazia este trabalho e meu avô os chamava de pêssankas (?). Pintava e tentava às vezes recortar as cascas. Mas só conseguia fazer os pintados, os recortes eram precisos e com instrumentos que não me deixavam por a mão.
A Dona Sonja mostra que o importante é se dedicar ao que gostamos de fazer...
Gostei da história, sei que devo ter parentes que adoraria conhecer por esta Europa imensa...
:)

maray said...

este ano fui visitar meu filho nos EUA. Levei ovo de páscoa, claro. Achei que ele estivesse desejoso e com saudades. Fui guardar no armário e descobri lá, quase mofado, um ovo que alguém lhe deu, do equador, em páscoa(s) passada. Quem ficou passada fui eu.
Certas coisas devem ficar só na lembrança. Ou nas cidadezinhas do interior, com uma dona Sonja insone e seus ovos atualizados...

Dayanne Guerra said...

Meu Deus que figura a Dona Sonja, rsrs. Parabéns pelo post, me diverti muito como sempre... : )

Evanir Garcia said...


As coisas mudam
Depois de um tempo você começa a perceber que nada nessa vida é
pra sempre e que tudo pode de alguma forma ser mudado,
percebe também que as pessoas mudam, que os pensamentos mudam,
e que se você não mudar, a vida muda você
amar significa se dar por inteiro
que verdadeiros amigos são,aqueles do qual sentimos
saudades .
Quando penso saber de tudo ainda não aprendi nada.
a natureza é a coisa mais bela na vida.
Deus não proíbe nada em nome do amor.
o julgamento alheio não é importante.
o que realmente importa é a nossa paz interior.
se pode conversar com estrelas
se pode confessar com a lua falar das saudades,
que inevitavelmente dói ,e feliz é aquele que tem motivos para
sentir..
Lindo e abençoado seja seu Dia bençãos de Deus
para você ,Beijos e carinhos meus ,Evanir.

Léia Silva said...

Oi Allan
Adoro aventurar-me por essas cidadezinhas perdidas!
A senhora Sonja evoluiu com o tempo - brava e sábia!
Léia