Sunday, July 10, 2011

Hemingway e o rio Trebbia


Em cada canto deste mundo onde o escritor pisou, os 50 anos da sua morte foram revividos com uma certa intimidade. Nós planejamos uma ida ao Trebbia. Em 1918 Ernest Hemingway embarcou de Gênova para voltar para casa. Sim, a guerra. Retornou à Itália em outras oportunidades menos dramáticas, tendo visitado Piacenza mais de uma vez. O caminho entre Piacenza e Gênova – o porto do qual embarcava para voltar para casaera a atual SS45 (Strada Statale 45), mais conhecida pelos habitantes como Valtrebbia, a estrada do vale do rio Trebbia.

Na primeira vez que o escritor passou pela Valtrebbia, durante a Primeira Guerra, ficou tão impressionado que escreveu uma nota: “Hoje conheci o vale mais bonito do mundo.” Talvez Hemingway estivesse sob forte carga emotiva, tendo testemunhado algumas das atrocidades provocadas pela guerra; é possível que tenha exagerado com a degustação dos vinhos da região de Piacenza; quem sabe, fora apenas uma gentileza a algum habitante; ou, como acreditam os moradores e todos aqueles que visitaram a Valtrebbia, simplesmente registrou a própria sensibilidade num pedaço de papel.

A frase ficou famosa e hoje é usada para divulgar as belezas da Valtrebbia. Muitas lendas se criaram envolvendo Hemingway e a pesca de trutas no rio. Ninguém sabe ao certo se ele realmente pescou ali, pescador que era, mas houve quem garantisse ter visto o escritor às margens do Trebbia com sua vara de pescar. Mesmo aos não escritores a beleza do vale não é indiferente. Vilarejos e sinos aqui e ali que seguem o percurso cheio de curvas do rio e que sofrem com as cheias repentinas. O Trebbia é – como Hemingway foi – testemunha de fatos hostóricos e de um cotidiano simples dessa gente, acostumada com o rigor do inverno piacentino e com o hábito de providenciar o próprio alimento. A água límpida viaja as montanhas em curvas, pedras, tons de verde transparentes e muitas lendas.
 
Guerras, romances, vinhos e estórias de pescador. O Trebbia desce sinuosamente um vale realmente muito bonito; talvez seja mesmo o mais bonito do mundo. A frase que virou slogan foi a única coisa que Hemingway escreveu sobre o rio e seu vale, mas quem sou eu para discordar de Hemingway?




  .

7 comments:

myra said...

belisssssssssimas fotos, e eqto a mim gosto imensamente do Homem e do Escritor Hemingway!!!e voce sempre contando- nos coisas tao interessantes!!!!
abraços

Luma Rosa said...

Eu não sabia dessa viagem do correspondente Hemingway onde ele se aproveita para satisfazer o seu lado lúdico! Parece que a beleza local deu-lhe uma rasteira e ele ficou 30 dias a pescar e observar a natureza. Olha que texto bacana! Aliás, a página é recheada de muitas histórias pitorescas!
Boa semana! Beijus,

Anonymous said...

Vivendo em Piacenza,por que você discordaria de Hemingway?
É melhor desfrutar da beleza que o encantou.
Manoel Carlos

Ana Maria said...

Lindo mesmo!

Georgia said...

Allan, se hoje em dia o vale continua muito bonito, imagina há mais de 50 anos quanto tudo era mais natural ainda.

Acredito também que com as experiências da vida, vemos beleza onde antes nunca vimos. Os olhos passam a contemplar aquilo que a nossa alma tem sede.

Lindo post e lindas imagens.

Bom fim de semana

Fernanda Reali said...

Oi, Alan! Vim te conhecer por indicação da Georgia Saia Justa. Adorei a receita e as historinhas!

Fizemos uma brincadeira no meu blog, Georgia te citou e eu te linkei. Vem brincar com a gente!

http://www.fernandareali.com/2011/08/eu-tu-eles-nos-participe-desta.html

Fernanda Reali said...

Ah, esqueci o principal: Hemingway retratado no filme Meia Noite em paris está hilário. Adorei o toque de humor que woddy Allen pos nele.

Um abraço!!!