Saturday, November 21, 2009

O Brasil visto daqui

Dona Anna e seu Paolo compraram casa no Brasil. Na beira do mar, é claro! Vão e voltam com as desculpas mais esfarrapadas: “Tínhamos que verificar se da última vez esquecemos alguma lâmpada acesa”, “ficamos preocupados em saber se alguém estava dando comida ao cachorro e, ao chegarmos lá, lembramos que ainda não temos um cachorro. Isso nos deu um alívio danado. Relaxamos e decidimos aproveitar uns dias para descansar.” E assim vai.

Tenho a impressão de que assim que a mãe da seu Paolo se for, as férias à beira do paraíso irão se prolongar. Afinal, os filhos estão crescidos, casados e bem. Seu Paolo e dona Anna são aposentados. Mas a saúde da mãe do seu Paolo é de ferro. Vive sozinha na casa de montanha, comendo o que de mais natural pode haver, as coronárias limpas pelo sobe e desce da montanha, ar limpo. Nem óculos usa, no apogeu dos seus 94 anos.

Quem sabe convencem a velha senhora a passar uma longa temporada no Brasil, com a desculpa do melhor futebol do mundo, que ela adora e conhece. Não, talvez seja uma mudança radical demais e ela não resista. Não. Melhor esperar. Mas haja passagem de avião.

12 comments:

maray said...

quando eu crescer, quero ser igual a D. Ana! ;)

Vivien Morgato : said...
This comment has been removed by the author.
Maria Augusta said...

Estas idas e vindas um dia cansam, é melhor mesmo que se instalem lá definitivamente se gostam tanto...mas é claro que não podem deixar a mãe idosa sozinha. Esperemos que eles também tenham saude para viver bem até a idade que ela tem...
Abraços e uma boa semana para você.

Elvira said...

Oi Allan.

O duro é aguentar todas essas horas de avião.

Bjs.
Elvira

Georgia said...

Concordo com a Elvira, é dureba agüentar tantas horas sentada. E olha que nós vamos ao Brasil a cada 4 anos...


Boa semana

Lilica said...

Se o seu Paolo ou a dona Anna precisarem, eu estou a disposição para verificar se o cachorro imaginário tinha o que comer, se as luzes estavam acesas, se tinham trancado a porta...qtas vezes eles quiserem. Basta me dar o bilhete aéreo :-)
Quando é que o senhor vem até aqui para que eu possa te oferecer o famoso café?
Beijos

Lunna said...

Eu não acho dureza viajar e há certos prazeres que não podemos abandonar. Eu mesma vivo na ponte área Brasil/Itália... E não reclamo, quando canso daqui e a saudade aperta, arrumo uma desculpa e mudo de casa e vice e versa. rs
Beijos

ana wants revenge said...

Que sorte poder ficar viajando por ai... :)

Mônica Brandão said...

Allan, você e suas meninas esqueceram uma luz acesa na sua casa aqui do nosso lado! E eu sempre escuto seu cachorro latir de fome pela nossa janela.
beijos
Mônica

Claudia said...

Se eu achar um vôo com preço razoável, vou ao Brasil no início do ano, sozinha, deixando marido e filho (um no trabalho, outro na escola) pra trás! Não tô aguentando mais de saudade e tenho flexibilidade no trabalho pra ir e voltar algumas (não muitas) vezes. O meu problema é o preço da passagem! Não ligo muito pras horas de vôo porque tenho a bênção de dormir hehe
A gente tava planejando de ir no próximo verão, mas se puder vou antes. Preciso da luz do Brasil pra me "carregar", eu amo aquilo ali! (mesmo se em BH não tem mar!)

Ana Maria said...

A vida da Dona Anna e seu Paolo é bem animada. Adoro viajar, mudar de clima e de paisagem, falar outro idioma. Tudo é festa! ;-)

Lili Detoni said...

Olá, amigo! Que legal essa história de vida do seu Paolo e da D. Anna! Eu adoraria viver um pouco aqui em meu País (Brasil) e um pouco no meu "outro" país que é a Itália! Estive aí pela primeira vez em Julho de 2009 e estou deprimida até hoje porque tive que voltar em muito pouco tempo... Mas, se Deus quiser, no próximo ano estarei aí novamente! Estou aprendendo Italiano para poder me comunicar e conhecer melhor as pessoas! Até!