Wednesday, March 18, 2009

Primavera sem respeito

Não, ela não sabe do calendário. Tão pouco sabe da crise ou de crises. Os dias simplesmente mudam e o ar fica mais quente, agradável. As pessoas, mais solares, caminham pelas ruas como se fosse a primeira vez. Turistas na própria cidade. A paisagem é outra, ainda que seja a mesma.

Todos os anos ouvia falar de ‘mal de Primavera’. Havia quem se lamentava de dores no corpo, indisposição e um mal humor incompatível com o clima alegre da estação e eu não entendia. Nos dois últimos anos descobri intimamente esse desconforto. A sensação é de estar gripado, mas os médicos não encontram nenhuma patologia. Nada que explique esse mal-estar que dura – no meu caso – uns três ou quatro dias. Depois, some. E posso observar passiva e calmamente as mudanças.

O caminho para a escola, de manhã, ecoa a algazarra contida durante o Inverno e descubro que os sons também hibernam; prédios que começam a esconder-se por trás das árvores que lentamente, lentamente, vão se preenchendo de verde do novo das folhas; os pombos já não são os únicos a ocuparem o céu. Mais alguns dias e imitaremos a estação: nuvens de poeira serão sacudidas das roupas pesadas, batidas ao sol antes de ocuparem um canto escondido e escuro até o início da próxima estação fria. A chamada ‘limpeza de Primavera’ movimenta este país numa rotina anual de resignação e alívio. É verdade, ainda teremos a tradicional semana de frio, quando todos xingam já terem guardado os casacos pesados e vasculham cobertores para a despedida do Inverno, mas serão poucos dias. Esse mal humor me diverte e faz parte do cotidiano, mas a Primavera chegou antes.

Não, a Primavera não faz nenhuma distinção entre governo e oposição, se o novo cidadão do mundo irá influenciar a vida das pessoas ou se será apenas o bode expiatório da ocasião. Ela apenas acontece, segue um ritmo que não depende de decisões nem sofre interferências (ao menos por enquanto). A Primavera chega quando deve chegar, transformando, renascendo, reanimando e animando. Primavera é.

12 comments:

Viviane said...

Ah... então é 'mal de Primavera' o que estou sentindo essa semana. Achei que estivesse realmente resfriada de novo. :-)
Obrigada Allan por me ajudar a perceber (e entender) todas as mudanças advindas da troca de um hemisfério por outro.
Abraços e Feliz Primavera!

luzdeluma said...

Mal da primavera, primeira vez que vejo essa referência, quem sabe as pessoas ficam doentes por causa dos anticorpos que são liberados pelo organismo em defesa do veneno dos alergenos da febre de feno - muito pólen e tals. :=))) Ah, a poeira! Que na Itália se multiplica como coelho.
Este texto dá pra virar um curta - segui o roteiro. Beijus

travelandtrips said...

Oiii..

Cai de paraquedas por aqui e adorei o blog..

Adorei o post..

Pelo visto sou + uma vitima do mal da primavera.. garganta estourando..

Voltarei + vezes..

=)

http://travelandtrips.wordpress.com/

maray said...

Allan, você é um romântico incurável!! Esse teu mal de primavera eu chamo de rinite...

beijos

Dentro da Bota said...

Otimo texto....
Pelo menos ainda temos a Primavera.... para colorir...esta vida tao dificil e a crise....rss

Abraços..
Gi, roma

Philip Rangel said...

Pelo menos ainda tem primavera..mesmo tudo trocado o nome ainda existe...

abraços

Li said...

Nossa Allan, sabe que outro dia estava fúçando no seu blog e achei maravilhosa aquela sua mania de plantar árvores??? O mundo precisa de pessoas como você. Demais. Beijao e bom fim de semana, aqui estamos com as águas-de-março fechando o verao! :)

Leila Silva said...

Que maravilha essa primavera, não? Sinto saudades dessas mudanças bem acentuadas...esse mal estar não é uma alergia?

abraço

Manoel Carlos said...

Se fosse uma rinite alérgica, haveria um diagnóstico médico.
A chegada antecipada não seria uma conseqüência da interferência no clima?
Você tem um jeito especial, lírico, de abordar o cotidiano.
Manoel Carlos

Georgia said...

Allan que texto lindo para falar da chegada da Primavera. Adorei.

Mas é verdade ela chega bem devagarinho. Esta semana que o sol saiu por aqui duas vezes, vi os brotinhos apontando verdinho. Fiquei tao emocionada e falei prá mim mesma: É a terra renascendo depois de ter dormido. Se é que dormiu, rs.

esse mal de primavera é verdade, eu fico num mal humor tremendo quando vejo que tem sol e no dia seguinte a temperatura já caiu. Isso me irrita!

Bom fim de semana

acqua said...

Bom dia Allan...
Tudo bem com vc? Espero que sim...
Que delicia de post este seu. Até senti falta do cheiro do mar de Gênova quando a primavera se apresenta. As gaivotas voam no final da tarde e a tarde parece invadir a noite até mais tarde.
Abraços meus

Segunda impressão said...

Aqui no Brasil não sentimos tanto as mudanças trazidas pela primavera, chegam a ser levezinhas, eu diria. Mas aí, realmente deve ser uma mudança brusca mesmo! Toda a neve que começa a derreter... Eu particularmente amo a primavera.
Ótima primavera pra vc!
Abraço!:-D