Saturday, September 15, 2007

Início do ocaso

Semana passada saiu o último número da revista italiana Diario. No editorial a explicação dos motivos que levaram à decisão. A possibilidade de acessar informações em tempo real a qualquer leitor minimamente curioso e a escassa publicidade resumem os argumentos.

Vou sentir falta. Cheguei a procurar em 20 bancas de jornal até encontrar uma que ainda dispusesse um exemplar, meses atrás. Era um sábado de manhã e a revista saía às sextas. Comprei meu exemplar na banca da estação ferroviária, onde impera a venda de revistas de baixo preço e qualidade que tratam da vida dos famosos. Aprendi a reservar meu número com meu jornaleiro.

Vou sentir falta da leitura inteligente e do jornalismo investigativo, das denúncias e do conjunto de matérias interessantes, apesar da linha declaradamente progressista que impedia um ponto de vista isento. Mas qual veículo de informação produz jornalismo isento?

O leitor italiano perde muito, e tenho a impressão que é só o início.

6 comments:

Yvonne said...

Allan, eu não acredito em jornalismo isento. É impossível. Uma vez o meu marido me disse uma frase que eu nunca mais esqueci:"O mundo só existe porque eu existo. Quando eu morrer, o mundo vai acabar".

Logicamente isso é uma força de expressão mas que bem traduz que o mundo existe porque temos uma visão nossa a respeito dele. Se eu tiver que contar para a Sandra Pontes que eu presenciei você brigando com a sua mulher, eu vou narrar a história de forma parcial, ou seja, com a minha interpretação pessoal dos fatos.

Tente imaginar um jornalista que é radicalmente contra o Lula. Tente imaginar também o Lula fazendo um grande feito que merece loas. Você acha que o tal jornalista vai ser isento o suficiente para colocar de lado as suas idéias anti-lulistas? IMPOSSÍVEL.

Aproveitando o assunto, queria deixar registrado aqui nesse meu comentário quase post que tive oportunidade de conhecer um homem que foi isento na sua vida: Sobral Pinto. Advogado, católico fervoroso e anti-comunista. O velhinho odiava essa ideologia, mas foi o maior advogado do Brasil na época da ditadura na defesa dos direitos dos presos políticos que eram ... comunistas. Velhinho caquético que amedontrava os milicos que o respeitavam.

O cara fazia discursos de tal forma apaixonados que você jurava que ele era comunista de comer criancinhas. Isso sim é isenção.

Beijocas

Ana Maria said...

Nunca ouvi falar dessa revista. Aliás, conheço muito pouco da imprensa italiana. Mas já vi jornais e revistas brasileiros desaparecerem. Fica um imenso vazio informativo.

Sandra said...

Concordo com a Yvonne sobre a "imparcialidade".

Talvez a revista simplesmente seguisse a sua linha de pensamento, Allan, fato este que a tenha tornado tão ímpar para sua leitura.

De qualquer forma, ver um meio de divulgação de fatos que consideramos "seguro" acabando enquanto o segmento "fuças" e fofoquinhas sobem em vendas, nos mostra como a cultura, a importância dos acontecimentos e educação vem sendo desprezada.

Beijos

Flavio Prada said...

Enquanto isso vamos na esteira do Grillo: http://www.verbeat.org/blogs/tncd/

Manoel Carlos said...

Certa vez, ouvi de Santiago Alvarez, considerado um dos maiores documentaristas do Mundo: "a realidade não se descreve, interpreta-se; quando faço um filme, antes de fazê-lo, tenho uma idéia, uma tese, e uso as imagens para expressar minhas idéias, com as mesmas imagens, outro documentarista faria algo diferente ou até contrário, pois não há objetividade sem carga de subjetividade". Como foi uma coisa dita e eu não gravei, posso ter roproduzido com alguma discrepância, portanto, os créditos pelos acertos são de Santiago Alvarez, dos eventuais erros são meus.
Outro dia, Humberto Tanure me enviou uma mensagem na qual dizia que não entende como o JB ainda existe, pois os blogues poderiam tê-lo substituído, citou alguns dos elos agrestinos como blogues capazes de substituírem o JB com ganho para os leitores.

Anonymous said...

Quando vivi por um ano em Roma, estudando, descobri a Diario e a lia, assim como a Internazionale. Eram as revistas italianas de que mais gostava, e cheguei a assina-las já de volta ao Brasil. Pena que a Diario nao poderei mais. Voce conhece a Internazionale? Qual outra revista italiana de atualidade, politica, cultura... me recomendaria?

abraço,

Helion
helion_povoa@yahoo.it.