Wednesday, October 25, 2006

Pastasciutta

Abro a geladeira e confiro: massa pronta, iogurtes light, saladas em saquinhos, suco na embalagem tetrapack e pizza no congelador. Não é hora de fazer um balanço pessoal, preciso comer algo veloz, escovar os dentes e sair. Quero estar na vernissage quando a imprensa chegar, antes do pintor, ou ninguém vai dar bola para a iniciativa da empresa em patrocinar esse tipo de evento. Pizza.

Escovo os dentes olhando-me no espelho e descubro a primeira ruga. É leve, nem chega a ser notada, mas é uma daquelas que nem todos os creminhos do mundo conseguirão retardar por muito tempo. Será que vou ficar pra titia? Melhor usar um creminho.

No caminho para a galeria passo em frente ao novo bar. Dizem que tem uma iluminação incrível e que o sistema de som é perfeito. Se ninguém me convidar para vir conhecê-lo, vou acabar eu mesma convidando alguém. Será que é esse meu jeito de mulher decidida que assusta todos os homens da minha vida? Mas o que eles querem, afinal? Sou independente e prática. Não preciso vasculhar bolso masculino pra ir ao mercado.

Sucesso. Essa é a palavra que exprime o resultado da nossa iniciativa. A empresa ganha pontos com a elite intelectual e a comunidade, deduz tudo do imposto de renda, ganha algumas páginas publicidade positiva e o chefe me dá os parabéns entusiasmado. Nem parece o mesmo homem que dois meses atrás me acusava de possuir uma cultura de quiz show inútil. Os homens são assim, quando se sentem acuados, partem para a agressão.

O vinho está ótimo, muitos parabéns, tapinhas nas costas, brindes, mas ninguém me convidou para uma esticada ou para comer alguma coisa quando sair daqui. Preciso me manter longe daquela bandeja de salgadinhos. O grupinho dos bobões muda de assunto quando me aproximo. Sorrisos, alguém que bebeu mais vinho do que deveria, elogios. Agradeço e saio, sentindo os olhares que medem meu tubinho preto e que me queimam as costas.

Estou morta de fome, doida por um prato de massa fresca e boa companhia. Vou acabar saindo com as meninas de novo. Pelo menos vou ter uma boa desculpa para não terminar a noite na discoteca. Esses saltos estão me matando. Oriento o pessoal para deixar tudo organizado e pronto para a abertura da galeria, amanhã. Aprendi a sair antes que o evento se esvazie.

Ok, meninas, trattoria. O barzinho novo vai ficar para uma noite de caça. Tudo o que queremos é comer algo honesto e cama. Não aguento mais vinho, peço água sem gás. A massa chega e elas ainda estão elogiando o resultado da exposição. Vou balançando a cabeça, concordando com tudo sem prestar muita atenção. Observo na mesa ao fundo o casal que janta romanticamente e lembro do meu apartamento vazio. Sem peixe nem gato, que não posso assumir a responsabilidade por outras vidas nesse momento. Deixo sempre o abatjour aceso para não ter que chegar em casa no escuro. E para me sentir menos . Preciso visitar minha mãe e pedir umas receitinhas. E lembrar de jogar fora o suco vencido na geladeira.

.

14 comments:

Yvonne said...

Eu conheço um monte de mulheres iguais a essa. Você foi muito feliz ao descrever a noite de uma mulher solitária. Beijocas

Srta. Oliva said...

Bom...e não precisa acertar mais nada. Já acertou no alvo. hehehehe

Excelente!!
Bjos.

=)

Milton said...

Que maravilha, Allan, grande conto.

Comecei pensando que fosse una ricetta. Ma che! És uma grande mulher, parabéns!

Espero que as 136 rádios não tenham te criado maiores problemas...

Abraço.

Roberta de Felippe said...

Dio santo, quase uma "Amélia", hahahaha... Beijos, querido!

Sandra said...

Allan, meu anjo lindo.. Foi ótimo ver um homem escrever assim sobre uma mulher!

Beijos

Chico said...

Oi,

Já tava aqui pensando que você era mulher ! hahahahahahaha

Brincadeira..

Quando encontrar uma mulher assim, não esqueça te pegar o telefone...

;^)..

Abraço,

Anonymous said...

allan!!! :)

no fundo, no fundo todas as mulheres querem uma costelinha quente pra encostar a noite... hehehe

uma beijoca xuxu!!!

:*
.
.

.

Sandrinha said...

O ideal seria chegar em casa depois de um dia como este descrito, encontrar a casa limpissima, cheirosinha e quentinha com um Bello Maschio na cozinha preparando aquele jantar...

Os sapatos apertados e o vestidinho tubo, quem precisaria deles? Ha?

Beijus

AnaBettaBlue said...

é... mulheres assim assustam (a maioria) dos homens.
triste.
mas também significa uma escolha. :)

* sobre contadores: eles são programas que efetivamente contam quantos acessos o seu blog teve (ou seja, quantas pessoas ou endereços de IP chegaram ao ser blog naquele dia... mês... ano). o meu é da sitemeter. vale a pena pra quem é curioso como eu.

beijos!

Manoel Carlos said...

Com a habitual sensibilidade, você retratou muito bem um dos tristes cotidianos contemporâneos.

Denise Arcoverde said...

E eu pensando que você estava preocupado com as rugas... :-)

Viva said...

Tão verdadeiroque eu pensei que fosse um depoimento e não um conto.

Paulo Nunes Jr said...

Bom, pelo menos ela comemorou o sucesso e solitárias por solitárias, não está amargando o fracasso.

Abraços.

Marilia said...

Adorei. Otimo conto. Forma e conteudo, ritmo da historia e do texto, tudo se complementa, dá o recado. E a mulher é real, viva, o que é dificil de se fazer, ainda mais num conto.