Sunday, March 12, 2006

É Sopa!

Caros e Caras,

Paz e saúde!

A Itália é uma península, um pedaço de terra que se aventura no mar. Há um bocado de tempo era um amontoado de ilhas, até que o mar foi se retirando e as ilhas se transformaram em montanhas. Onde antes havia o fundo do mar, agora existem cidades. Duas as conseqüências nos dias de hoje: a qualidade da água e um estreito relacionamento com o mar.

A neve que cai nas montanhas não penetra fundo no solo ao derreter, permanecendo muito pobre em sais minerais. Essa é a água mineral que se consome por aqui. Quase enlouqueci até achar uma que matasse a minha sede. As planícies contêm um alto teor de calcário, obrigando ao uso de água desmineralizada em ferros de passar a vapor e de produtos anti-calcário em máquinas de lavar louça e roupa. Beber da torneira pode causar pedras nos rins.

a ligação com o mar se vive de diversas formas, mas a principal é na cozinha. É um erro achar que a culinária italiana é restrita a massas. E aqui vai uma amostra. O cacciucco é uma sopa de peixes (não faça caretas!) muito saborosa e fácil de fazer. É quase um ensopado com um pouco mais de caldo.

Cacciucco Livornese (Porção para 6 pessoas):

2 kg de peixes pequenos;

0,5 kg de tomates bem maduros;

3 dentes de alho;

2 pimentas malagueta vermelhas;

½ copo de vinho branco;

6 fatias de pão pugliese (pão italiano redondo);

2 copos de azeite de oliva;

Água;

Sal.

Use a sua criatividade. Os peixes utilizados não nadam no nosso mar, mas não chegam a ter um sabor particular. São peixes fáceis de encontrar e que custam pouco. Scorfano (uma espécie de peixe escorpião), capone, palombo, piccole cicale, tracine, são todos peixes pequenos com pouca espinha. Considerando uma média de 300 gr por peixe, basta um de cada tipo. Você vai precisar ainda de um pouco de sépia e de polvos pequenos (caso não os encontre, substitua por um polvo médio cortado em partes pequenas). Corte à metade um dente de alho, toste as fatias de pão na frigideira, esfregue o alho em ambos os lados e divida as fatias em seis pratos fundos. Em uma caçarola larga ponha o azeite de oliva, o alho amassado e a pimenta em pedaços. Quando o alho estiver começando a dourar, coloque a sépia, o polvo e deixe cozinhar em fogo baixo por alguns minutos com a tampa. O tempo de cozimento varia da acordo com o tamanho do polvo. Quando este adquirir uma consistência macia, estará cozido. Acrescente o vinho e deixe evaporar um pouco, junte o tomate sem pele e sem sementes, um pouco de água e sal. Quando começar a ferver coloque os peixes cortados em pequenos pedaços. Deixe mais alguns minutos e sirva nos pratos, sobre as fatias de pão.

Quando Atlântida desapareceu no fundo do mar, levou consigo tesouros e segredos da civilização que nela vivia, como as Maldivas um dia levarão os sonhos de muitos turistas. No caminho inverso, a Itália trouxe algumas relíquias do mar quando emergiu. Encontrar fósseis marinhos no Norte do país é comum, assim como o consumo de água mineral de montanha é a saída para preservar os rins. E um prato de cacciucco acompanhado de um bom vinho tinto (não dou a menor bola para a regra de vinho branco com peixe) é uma herança digna de um grande império.

Ciao.

15 comments:

nyasha said...

belo il tuo blog. ritorno presto. quanto tempo que vc está na Italia? sou vegetariana, senão com certeza ia experimentar essa sopa :)

marcelo said...

Por um breve instante, achei que era uma homenagem a mim...

:-)

As sopas, além de saborosas, são uma oportunidade de reunião, de confraternização. Ou de instrospecção, reflexão.

As sopas são praticamente um tratado de filosofia.

Ciao.

Marilia Mota said...

Oh! Vou fazer. Estou parecendo o cão de Pavlov, começo a ler seu post e já começo a salivar. Ririri.
Não sabia que a Itália tinha emergido. Este país é tão fascinante.
Engraçado que ficou na minha memória essa terra esbranquiçada que vi aí quase o tempo todo. Então é por causa dessa formação. Blog é cultura também! Abs :)

Pat said...

Boa receita!
Quando esfriar um pouquinho por aqui vou tentar fazer.
Bjos.

Gustavo Guilherme BacK said...

Esse tipo de Post é um atentado a saúde mental leitores do teu blog. São dez horas da manhã aqui em Floripa, eu não tomei café da manhã e estou morrendo de fome!!! Acho que cheguei a sentir o cheiro da sopa...

Ela me lembrou os fabulosos ensopados de tainha que minha vó fazia nos domingos, era inevitável, nesses dias toda a família (grande, de dez filhos) dava um jeito para se juntar à mesa.

Ana Maria said...

Adoro sopa e adoro peixe. Farei assim que o verão der uma trégua. E penso que será em breve. Ontem à noite estava até friozinho por aqui. :-)

AnaBettaBlue said...

estou com o Marcelo... e aguardarei ansiosamente o inverno para testar a receita! :)
beijos!

Juliano said...

A Itália, naturalmente, não me serve. É que, com a pedreira que carrego nos rins, não conseguiria carregá-los...

Um abraço.

Juliano said...

A Itália, naturalmente, não me serve. É que, com a pedreira que carrego nos rins, não conseguiria carregá-los...

Alline said...

Essas suas receitas são tentadoras :)
Vou me arriscar, mas aqui só tem peixe de água doce. será que fica bom tb?
Beijinhos

Daíza said...

Cacciucco é tudo de bom! Pena que ultimamente como aquele da Buittoni, causa falta de peixe fresco aqui no cafundó. Quanto ao problema da água, aqui em casa se bebe da torneira, diretamente da nascente aqui perto. Por causa da 'dureza' da água fiquei preocupada com o problema 'pedra nos rins' mas fui tranquilizada por mais de um médico, que disseram que conseguimos assimilar o calcio sem danejar o organismo. Bah, ao ver o fundo do copo todo branco quando deixo um pouco d'água de um dia pro outro, fica difácil de acreditar. Tanti saluti!

Blogue da Magui said...

Excelente, excelente, excelente.

Palpiteira said...

Adorei seu espaço! Muito bom. Já a sopa, dispenso. ;)

Daniela Pedrinha said...

Allan que receita interessante.. pena que não sou muito dada a cozinhar. Mas aprendo rápido... quem sabe faço a tal sopa um dia.

Mas caramba.. fiquei preocupada com a história da água... vcs aí não devem usar o tal filtro como aqui no Brasil né? Assim como o Juliano, eu não posso abusar dos meus rins.. .:)

Claudio Costa said...

Na semana que hoje finda, o tempo esfriou um pouco aqui em Belô. Ora direis: "Frio no verão?" Pois é verdade. O clima convidou-nos a tomar sopas: "de inhame", "de cenourinha amarela", "de frango com batatas". Mas de peixe, não conhecia. A dica é preciosa. Salute!