Wednesday, December 14, 2005

Natale Al Sugo

Caros e Caras,
Paz e saúde!

O Natal na Itália começa mais cedo e termina mais tarde.

13 de dezembro, dia de Santa Luzia. No Norte do país era ela (era uma cega, ou que ficou cega – essa história não é muito clara, cheia de lendas) quem trazia presentes. Alguns historiadores afirmam que teria sido uma moça rica, que teria doado tudo aos pobres e recusado a casar-se com um pagão para não abrir mão do seu voto de castidade, tendo sido decapitada em 303. Tornou-se a santa protetora dos olhos e das crianças. As ruas se entopem na busca de presentes.

Assim como Papai Noel, ela passa durante a noite. Vem com o um jumento visitar as casas. Deixa-se um copo de leite e um pires com biscoitos, pois ela vem de longe e chega cansada. Para o jumento, um pouco de palha. Se os biscoitos tiverem sido comidos, o leite quase todo bebido e a palha remexida, estejam certos: ela passou e deixou algum presente.

Natal. Esta era uma festa da Roma pagã, que comemorava o solstício de inverno e que a Igreja adotou com o objetivo de aproveitar-se da proximidade do que seria o natal cristão e, ao mesmo tempo, desmoralizar as crendices populares. Acabou ganhando um tom debochado, com muita gente pedindo esmolas e roubando as casas mais abastadas, chegando a ser proibido por 22 anos, no século 17.

O dia 24 deve ser de recolhimento e jejum (deles, não meu) e, na ceia, alguma coisa leve, sem carne. Só o peixe é permitido. Massa e peixe.

O grande dia é 25 de dezembro, quando o almoço é farto de pratos regionais feitos especialmente para o Natal. Na cidade onde moramos come-se um tipo de ravioli servido com um caldo ralo, que se obtem cozinhando carne de boi e de galo capão, quase sem tempero. Dissolvendo-se e fervendo um caldo Knorr produz-se o mesmo resultado, com a vantagem de não ter de comer a carne e o galo sem tempero depois. O café da manhã (e não só) terá na mesa um panetone ou um pandoro.

A tradição conta que um nobre de Milão ofereceu um jantar na noite de 24 de dezembro de 1481 e o que seria a sobremesa, queimou. Um ajudante de cozinha, para tentar salvar a situação, sugeriu servir um doce que ele teria feito como experiência: um pão doce, perfumado e recheado com frutas secas. O nobre teria gostado e mandou chamar quem o fizera. O jovem apresentou-se como Toni e explicou que ainda não havia pensado num nome para o doce. O nobre teria, então, decidido que se chamaria o pão de Toni, pan del Toni. Outro doce típico dessa data é o torrone, invenção da cidade de Cremona, a uns dez quilômetros de onde moramos. Próxima demais para permitir regimes.

Nos dias que antecedem as festas, ninguém consegue entrar nas lojas do centro. Apesar do frio polar, do vento siberiano (literalmente) e das noites longas, as ruas se transformam num verdadeiro shopping center a céu aberto, como numa tarde ensolarada de sábado em São Paulo. Porque nós, latinos, deixamos sempre tudo para a última hora?

6 de janeiro, dia de Santos Reis é, também, o dia da Befana. Na Sicília e todo o sul da Itália era ela, uma velha nariguda, feia e com uma vassoura quem levava doces e guloseimas aos meninos que tinham se comportado durante o ano. Aos maus meninos, levava carvão. Colocava tudo nas meias penduradas nas lareiras, perto das janelas ou vizinhas ao presépio. Hoje o carvão não é mais de verdade, mas de açúcar e não pode faltar, além das bengalas, pirulitos e um monte de outras calorias em formas e cores diversas. É uma festa pagã, mas ligada à religiosidade do Natal. Diz a lenda que os Reis Magos (que saíram da cidade de Magi, não que fossem magos) teriam pedido orientação a uma velha, que não os ajudara por estar ocupada com um feixe de lenha. Mas a velha arrependeu-se quase de imediato e saiu para ajudá-los. Não os encontrando mais, resolveu sair e presentear todas as crianças com balas e doces.

É uma corrida para encontrar o melhor carvão, uma meia bonita, os doces mais gostosos. Felizmente as feiras populares surgem pelas praças, onde é possível encontrar tudo pronto.

Óbvio que a televisão ocupou-se de difundir e fundir tudo. A religiosidade destas festas, aqui como aí, perdeu espaço e cedeu lugar a valores diversos. O Natal, hoje, é o Papai Noel. E os presentes que ele traz.

Minhas filhas adoraram e adotaram todas as novidades do novo velho mundo: “pra Santa Luzia espero ganhar….” “ no Natal, Papai Noel vai me trazer…” “ a Befana, além dos doces poderia me presentear com…”

A única coisa que não se encontra na nossa casa nessa época (nem em qualquer outra) é a inventora do Papai Noel: Santa Klaus era uma espécie de duende das lendas do norte da Europa, que usava roupas de peles de animais e distribuía presentes às crianças. Em 1932 a Coca-cola resolveu dar-lhe feições humanas e rechonchudas e o vestiu com as cores da marca dela, o vermelho e branco, para utilizá-lo na sua campanha publicitária.

13 de dezembro dia de Santa Luzia, não é feriado. Mas 26 de dezembro, dia de Santo Stefano e 6 de janeiro, Epifania do Senhor, sim. Além de 25 de dezembro, é claro. Ninguém soube me dizer porque é feriado dia de Santo Stefano: “…Sempre existiu esse feriado.” “…Eu nasci depois…” “…Acho que é pra ter um dia de descanso das festas…” foram as respostas mais comuns.

Isso sem contar o feriado de 8 de dezembro, que eu prefiro evitar para não lembrar que é, também, a festa de Conceição da Praia, cuja igreja é em frente a um certo Mercado Modelo e que marca o início das Festas de Largo vocês sabem onde.

Quando janeiro chegar, vou tentar um regime.

Ciao.

12 comments:

maray said...

Muito boas as histórias. Sou neta de italianos mas não conhecia a maioria delas. Em todo caso, gosto mesmo é de árvore de natal, cheia de presentes embaixo. Se tivesse lareira poria meias, com certeza. Gosto de dar e receber presentes. E adoro panetone. E odeio regimes, calorias e colesteróis em geral. Farei como Scarlet O'Hara: "amanhã eu penso nisso" ou "nunca, nunca mais passarei fome" ! Sem o nabo na mão, claro...

Sandra said...

Que gostoso esse seu texto! Para a cabeça e para o estômago!! Quantos doces!!!!!

Agora, haja bolsinho de papai para tantos presentes!!!!!!

Beijão

Marilia Mota said...

Essa sua conversa flui fácil, vou lendo com o maior gosto, e sempre acabo com fome. Vá entender!
Quem sabe em janeiro, quando você começar o regime, paro de sofrer com esse efeito colateral? Até lá, vou fazer como disse maray: amanhã eu penso nisso.

I said...

Desconhecia a maioria das deliciosas historias que conta neste post: o Pan de Toni , Santa Luzia...Todos os Natais me oferecem um pannetone que eu gosto de comer acompanhado com chá quente.E no Brasil? como será o Natal?Com calor, na praia...deve ser tudo tão diferente!

Ana Maria said...

Incrível a facilidade com que as crianças e adolescentes incorporam as tradições, especialmente quando há farta distribuição de presentes envolvida.

Pelo visto, a Itália é a Bahia da Europa - adoram festejar. :-)

Anonymous said...

Eu moro na Sardegna hà tres anos, " definitivamente", depois de algumas idas e vindas.
O que sinto falta no Natal, é da ceia brasileira...Tem coisa melhor do que peru assado, lombinho recheado, farofa , arroz alla grega, bacalhoada ( se disser que vou comer bacalhau aqui na Sardegna, vao dizer que desci de alguma nave espacial...)e para sobremesa, rabanada ? Para completar, tudo isso num delicioso calorzinho de 40°C!!!
Quanto aos presentes de Natal e Befana, compensamos no dia das maes, pais, das crianças , dos professores , da sogra, da empregada domestica, do amigo, do medico, dos animais, do vizinho e tudo o mais que os comerciantes brasileiros conseguem imaginar para melhorar um pouco as vendas...Aqui, ou nao existem essas datas comemorativas, ou quando existem ,no caso do dia das maes e dos pais, damos somente um beijo e um abraço.
Bom Natal!

Manoel Carlos said...

8 de dezembro é feriado no Recife, embora a padroeira oficial seja Nossa Senhora do Carmo, mas Nossa Senhora da Conceição é a outra padroeira.
Pela data, 13 de dezembro e solistício de inverno,pelo antigo calendário juliano, e pelo nome, sugere-se uma relação entre a Santa Luzia e a chegada da luz.
No Nordeste do Brasil, os ciclos são marcados pela culinária, inclusive o ciclo natalino que, no Recife, começa no dia 8 de dezembro e termina no dia 6 de janeiro.
É covardia sua escrever sobre comida, engorda-se só de ler.

nora borges said...

Eu li de "costas" Allan. Tive uma crise existencial quarta-feira passada e parei de comer, até o dia 24 pelo menos. Já tinha começado aqui com os frutos secos ( nozes, tâmaras, passas, ameixas, figos)mas parei de verdade,não posso esperar até Janeiro.
Não conhecia as histórias que vc contou, inclusive pensava que Papai Noel era mais velho!

Viva said...

Interessante como o Natal é comemorado de forma diferente pelo mundo. Por isso gosto de vir aqui: sempre aprendo algo. Bom Natal!

daisy melo said...

Os natais são lindos (às vezes tanto que dói) em todos os lugares.
obrigada por essa visada do natal italiano!
entrando em blogs interessantes e aprendendo!
isso vicia...
bjs

day

Juliano said...

Allan, vou guardar essa história do panetone, em especial, para meu discurso erudito pré-ceia de natal...

Boas festas!

Roberta de Felippe said...

Hahaha, quando era pequena eu tinha medo de Santa Luzia, imaginava uma velha gordona com cabelos compridos e grisalhos. E puxa, judiação comigo, diabética que sou, ler um texto DELICIOSO desse, cheio de guloseimas. Beijão!