Wednesday, November 17, 2004

Macarrão à Mediterrânea

Caros e Caras,
Paz e saúde!

Selecione e corte em cubinhos uma abobrinha, duas batas médias, o talo de uma folha de salsão e uma cenoura.

Gianni Agnelli se chamava Giovanni, que é como o nosso João e como o Papa. Ele era isso: uma espécie de papa. O Papa da Itália. Neto do fundador da Fiat, viveu empenhado em elevar a empresa da família à condição de potência internacional, além de ter sido um incentivador e grande responsável pela modernização da Itália.

Corte em porções pequenas um pedaço de couve-flor, um pedaço de brócoli e um pouco de vagem.

Por medo ou por respeito, a verdade é que ninguém tinha coragem de falar mal dele em público. Era uma pessoa de pulso forte. Capaz de manobrar legisladores e governantes para moldar as leis segundo suas vontades ou necessidades. Não se vangloriava disso, mas também não escondia tal realidade.

Ferva tudo com água e sal, separadamente. Adicione um pouco de grão-de-bico e feijão previamente cozidos.

Presidente de honra da Fiat, comandava o grande império que se formou a partir da fábrica de automóveis. Na verdade, a empresa andava mal, vítima da pouca atenção que dera nos últimos anos à modernização dos produtos num mercado tão competitivo. Presidente da Juventus e amante dos esportes, tinha um lugar especial entre os seus mimos para a Ferrari.

Se preferir e encontrar, utilize uma minestra de verduras congelada. Mas, atenção: os legumes devem ficar ligeiramente duros, sem cozinhar demais. Caso sejam congelados, verifique se são pré-cozidos. Se forem, não precisa ferver mais.

Advogado, Senador vitalício e empresário de sucesso. Temido, amado e odiado. Usava o relógio por cima da manga da camisa e tinha uma coleção de frases de efeito, piadas e ironias que disparava à queima-roupa. Quando o jogador Zidane saiu da Juventus para ir jogar no Real Madrid, da Espanha, um repórter perguntou-lhe o que ele teria achado do transferimento, apesar do bom relacionamento do clube com o jogador e do amor declarado da torcida. Ele respondeu sem pestanejar: “a passagem do Zidane pela Juve, foi mais divertida que útil!”

Cozinhe com água, um fio de azeite e sal, meio quilo de espaguete fino. Quando estiver pronto, escorra e coloque imediatamente em uma frigideira grande com uma colher de manteiga já derretida. Deixe a massa “al dente”.

Um grande temor se abateu sobre o mercado e sobre o futuro da Fiat. Muitos acreditavam que com a morte de Agnelli, a empresa não teria o mesmo poder nem a mesma serenidade para negociar o próprio destino com credores e acionistas. Há quem acreditasse exatamente no oposto. Milhares de funcionários das diversas fábricas da empresa estão na Caixa de Integração, que é um fundo do governo para sustentar grandes demissões. O que só aumenta a indignação dos que acreditam que a Itália fez mais por Agnelli do que ele teria feito pelo país: “Somos nós quem pagamos a caixa de integração da Fiat!”.

Junte os outros ingredientes e adicione um tomate sem sementes, cortado em cubinhos, umas folhas de manjericão e uma lata de atum sem o óleo.

Muitas pessoas preferem ter um carro de outra marca. “Para não dar dinheiro aos Agnelli”.
Aparecia pouco, o velho. Era um que se via pouco. À exceção das partidas da sua Juventus no Estádio Delle Alpi em Turim e das visitas ao box da Ferrari, nas corridas de Fórmula 1 espalhadas pelo mundo. No fim de 2002, fez uma viagem inesperada aos Estados Unidos para tratar a saúde. Aparecia cada vez menos.

Misture tudo, mexendo a frigideira como quem faz uma panqueca, para não despedaçar os legumes.

Assim como o Maracanã, as drogas, o Carnaval decadente e as praias são características fundamentais da cidade do Rio de Janeiro, a Fiat é a característica principal da cidade de Turim. A possibilidade de a cidade perder a empresa, soa como se Paris corresse o risco de perder a sua torre.

Macarrão e legumes ao dente demoram mais para serem digeridos, mantendo a sensação de saciedade por mais tempo.

Há quem, servindo-se da ironia do Advogado, pergunte: “E agora? O que irá acontecer com as leis que ele fez aprovar?”
Lembrando do Antônio Carlos Magalhães (ACM, para nós baianos), do desenvolvimento frenético da Bahia na época em que ele comandava parte do poder no Brasil e da fama dele como “Malvadeza”, não posso deixar de compará-lo ao Agnelli. São sentimentos contraditórios que se percebem quando falam deles: Foi terrível, porém útil (ou como o “imposto” do FHC: “se fosse voluntário ninguém tinha que pagar. Por isso que se chama IMPOSTO. Assim, todo mundo paga”). Mesmo entre os críticos mais ácidos todos concordam que a Itália perdeu o seu melhor advogado. Está fazendo falta, o velho.

Sirva ainda quente com queijo ralado, para quatro pessoas. Bom apetite!


Ciao.

13 comments:

Anonymous said...

Vou experimentar a receita sexta-feira.
Tem jeito não! Quem nunca morou na Itália não poderá entender a importancia do "Advogado".
Abração,
Diogo

Felicia Luisa said...

Nossa, Allan,
Voce esta se superando, hein? Que post otimo.
Um abraco,
Felicia

Nora Borges said...

Pois a comparação com ACM está BASTANTE esclarecedora.
Somos todos via de mão dupla?
Agora a idéia de dar uma receita entremeada de uma história ficou um delícia...( ou foi o contrário?) parecia que estávamos na cozinha, preparando a pasta, sevindo o vinho, botando a mesa e falando coisas...
Seu blog também é uma delíca, Allan!

Anonymous said...

Parece o livro "como água pra chocolate"Aliás, um dos meus prediletos. Espero que o macarrão não tenha sofrido as pressões políticas!
Angela

Anonymous said...

Ciao, Allan.
Estou com a Nora, lendo o post me senti no aconchego de uma bela cozinha.
O que mais me chamou a atenção, francamente, foi uma informação estarrecedora: o Agnelli, quem diria, usava o relógio por cima da manga da camisa.
Abraço,
Golb
http://madura.blogger.com.br

Manoel Carlos said...

Excelente crônica.
Precisa, esclarecedora, informativa e numa narrativa simples e direta.
Foi uma receita, mas poderia ser uma reza de mulheres conversadeiras.
Uma boa idéia bem executada.

Leila Silva said...

Voce e' cheio de ideias Allan. Ficou otima essa estrutura. Abracos
Leila

Anonymous said...

Bis!
Bravo!
Mais um!
:)

Frank & Gaia

Rafael Galvão said...

Grande, grande definição da Itália. :)

Claudio Costa said...

Uma conversa em torno do fogão, papo tranquilo, sabores e conhecimento, a inevitável comparação: ACM e Gianni. Estive há pouco em Salvador (que está mui linda, com avenidas amplas, belo aeroporto, hotéis espetaculares) e escutei adjetivos opostos para classificar ACM e seu candidato à prefeitura (ACM foi derrotado). Deus e o diabo na terra do sol, diria Gláuber. Abraços do Cláudio.

Leila Silva said...

Allan,
Deixo mais uma mensagem para dizer que, finalmente, pude fazer o download daquele livro que voce sugeriu...Parece interessante. Logo vou ler.
Abracos
Leila

Anonymous said...

Allan,
Aos poucos você está se tornando o cronista predileto de muita gente. Delicioso esse seu texto!
Abração,
Lenine

cadê o ralo said...

Evviva!! Finalmente consegui meter o bico (a boca no macarrão vai ficar prá depois)... Tudo muito bom, como sempre. Abraços ventosos (ainda) e surgelati.