Sunday, December 04, 2011

Fábrica de neblina


Novembro chegou ao fim quase sem ver o Sol. Umas quatro ou cinco tardes e um único dia ensolarado. O resto do mês foi de completa neblina, o que não é novidade na Planície Padana. Assustou-me, porém, a intensidade e a quantidade de neblina. O Outono emiliano (a parte interna da região da Emilia-Romagna) costuma ser neblinoso, mas tudo tem um limite. Ou deveria ter. Em certos dias é impossível enxergar o outro lado da rua. Onde certamente teria visto alguém de mau humor. [“Em certos dias é” tempo presente. Novembro acabou, a neblina, não.] Pensei em ir às montanhas, onde o ar é limpo e de onde é possível ver a neblina cobrindo a região, mas com toda essa cerração não conseguiria achar o caminho.

Sorrisos escondidos, sentimentos opacos, pensamentos nebulosos, vidas esfumaçadas que se arrastam cuidadosamente neblina adentro. Parma, Piacenza, Cremona, Pavia e as cidades vizinhas se parecem e se confundem na névoa deste período, como uma premonição do Inverno que está chegando. A fumaça e o cheiro de caldarroste, as castanhas assadas pelas ruas, se fundem no nevoeiro urbano e trazem um pouco de alívio no humor italiano. As mesmas caldarroste que um tempo eram vendidas até o dia de Finados, mas queassim como os eventos meteorológicos – não respeitam limites ou calendários. Enquanto houver castanha, caldarroste; enquanto houver Outono, neblina.

Dirigir nesta época é perigoso. Andar a ou de bicicleta, mais ainda. Roupas fluorescentes estão fora de moda, que o período pede roupas pretas. O jeito é contar com a cortesia e a prudência dos motoristas para não ficar trancado em casa. E tomar vin brulé, outra tradição desta época (vinho quente). Moramos no centro, onde o trânsito de veículos é limitado. Caminho tranquilo pelas ruas que vão surgindo esbranquiçadas, em meio a estátuas e castelos silenciosos, perfume de castanhas assadas e uma caneca de vinho quente na mão. As pessoas passam sem sorrir, tentando não esfumaçar os próprios pensamentos e a lista dos afazeres no meio de toda essa neblina, ou tudo estará perdido e o que for perdido nestes dias se dissipará com a névoa úmida e fria da Planície Padana. Londres? Nem pensar!

Novembro, Novembro, mês da neblina. E a neblina é um estado de espírito.
.

9 comments:

myra said...

oi mi querido amigo, sempre escrevendo e descrevendo...sentimentos nao somente "fisicos"!!!eu estou numa total neblina...de saudades da Italia, mesmo se la faz mais frio que aqui, mas aqui tbem tem dias brancos, brancos e sempre vento...
abraços!

peri s.c. said...

Um denso estado de espírito . São Paulo não tem mais neblina ou garoa. Perdemos densidade ;

Sissym said...

Fabrica de neblina!!! Hilario.... parece mesmo! Isso me fez lembrar as serras fluminense, uma curva e uma incerteza de onde vamos parar! rssss

Sobre seu HILARIO comentario:
"Que boa noticia, eu, francamente, tambem acho que a falta de capacidade em cumprir metas, alem da incasável corrupção, tirariam o Brasil da reta!"

RSSSS

Bjs

denise rangel said...

Allan,
Eu ficaria nebulosa também, mas este teu texto bem humorado nos mostra que a neblina pode estar fora de nós e a Primavera em nosso interior.
Vinho quente? Morno ou quente mesmo, como café? É bom?
abraço, garoto

Georgia said...

Nossa Allan, entao o clima por aqui em Düsseldorf está bem melhor. Novembro tivemos dias ensolarados e com céu azul. Tivemos 15° graus inclusive. Dezembro comecopu mais frio, mas ainda assim esta noite temos 12 graus, apesar da chuva fina que cai. Na madrugada esfria até 3 graus e pela manha temos 7 graus. Com isso, minha cabeca arrebenta em dor, eu quase que enlouqueco.

Por aqui nao é fora de moda usar os fluorescentes à noite. As criancas que vao à escola de bicileta têm que usar de qqr jeito e nós adultos que gostamos de rodar os barzinhos no final de semana temos que usar algo assim no gênero.

Ainda nao bebemos nenhum Gühwein, Vin brulé, vinho quente, quentao, rs ou algo parecido porque os dias ainda sao quentes.

Boa semana

Abracos

XaviereFlo said...

Por aqui tambem muita neblina, todos os dias. Para mim, que sou de sao paulo, neblina era um fenomeno maravilhoso: no dia seguinte seria uma linda manha de sol. Mas na Europa é o inverno, e meses a fio de frio e pouco sol... Londres, onde morei 5 anos, nao tem tanta neblina assim. Tem um pouco, as vezes ficamos dias sem ver nada, mas passa. E' a urbanizacao tremenda. Este inverno nao esta sendo facil -e olha que nem tao frio esta! Abracos

Thais Miguele said...

Oi. Oi. Recebi seu e-mail, mas não correria não respondi. É que quero responder com as respostas prontas, né? Resposta pela metade não vale. Por hora estou tentando encontrar o nome de um hotel em conta aonde um amigo se hospedava vez em quando, e assim que ele me passar a informação, te respondo direitinho o e-mail. BJo bjo

maray said...

uma vez alguém me disse que quando aparece a neblina, o dia seguinte será de sol. Verdade ou não, meu espírito crédulo se alegra quando aparece neblina por aqui. E sabe que nos altos da Giovanni Gronchi, onde não seria razoável aparecer, ela aparece? Eu fico muito feliz. Dia seguinte será dia de sol. Mesmo que chova. O que é o poder da fé ;D

Roseane, said...

Por aqui até tivemos sol em novmebro. Fiquei surpresa com essa mudança, pois novembro é um mês cinza.
Também temos vinho quente e o mercado de natal. Pelo menos é alguma coisa pra animar o inverno.

Minha bicicleta agora está guardada, espeando a primavera, não arrisco andar por aí no frio, nem na neve, e muito menos com neblina.

Boa semana!