Tuesday, September 28, 2010

Aniversários italianos

Na carta anterior falei sobre datas para comemorar os 18 anos da minha filha Bianca. Sábado próximo será uma outra data especial, pois é o aniversário da Eloá. Não, esta não será uma outra homenagem, ou eu teria que só escrever cartas de aniversários. No domingo, por exemplo, é o aniversário da minha tia Arinda (beijocas da turma daqui, Arinda!). Fico feliz por poder comemorar o aniversário da Eloá ao lado dela, como gostaria de estar ao lado de muitas outras pessoas – parentes e amigos – de quem sinto falta e que ocupam sempre a minha mente. Quantas vezes, passando por um lugar particular ou diante de um produto, não penso em alguém que está longe? Sabem quantas conversas imaginárias tenho com meus parentes e amigos no meu dia a dia? E, não, não estou ficando gagá por causa da idade. Sempre fui assim. Sou gagá desde sempre. Sinto uma falta imensa de uma boa festa de aniversário, com amigos e parentes reunidos, dividindo a oportunidade de passarem juntos alguns momentos felizes. Desde que não seja o meu.

Os aniversários italianos são muito diferentes. Aqueles infantis acontecem na casa do aniversariante, no salão da paróquia ou em uma lanchonete com espaço para festas, mas não tem palhaços, mágicos e a animação costuma ser improvisada. Os pais deixam a criança com o presentinho (nada que custe mais que dez euros) no local da festa, que tem hora para começar e para terminar, e vão buscar no final. Os adolescentes costumam comemorar em pizzarias e podem ou não pagar a conta – os pais do aniversariante, é claro! Mas essa informação é fornecida antes e, no caso de cada um pagar a sua parte, o valor do presente diminui. Mas também é comum que os amigos se reúnam para adquirir um presente único. Aos 18 anos a festa costuma ser em um restaurante ou discoteca, geralmente oferecida pelo aniversariante.

Daí por diante as comemorações costumam variar muito, mas a  maioria comemora somente em família, como nós faremos sábado à noite. Entre os adultos a tendência é não divulgar a própria data de aniversário, mas há quem leve torta ou docinhos e vinho para comemorar com os colegas de trabalho. Quem não leva a festinha para o escritório deve pagar um copo de vinho ou, pelo menos, um café ao bar. Festa mesmo, como as que estávamos habituados no Brasil, ainda não vimos nenhuma. E presentear um adulto é um acontecimento raríssimo, entre amigos ou colegas de trabalho. Muitas vezes se descobre que o aniversário do colega ao lado foi anteontem e nada de comemoração.

Essas diferenças culturais esclarecem um pouco a frieza de que alguns brasileiros recém chegados se lamentam, mas é apenas um dos preços de ser expatriado. Mesmo entre os brasileiros tais hábitos acabam sendo adotados, o que aumenta ainda mais essa sensação de estar perdendo a própria identidade. E o seu aniversário, como é?

14 comments:

Carol Sosa said...

Bah, é bem diferente mesmo...
Já tinha ouvido falar dessa aparente frieza na Itália, mas não sabia que que era assim com aniversários...
Eu não comemoro o meu, não gosto, levo comigo um ponto de vista que ganhei com o meu pai.
Segundo ele, não se deve comemorar o aniversário de uma pessoa e no dia seguinte nem olhar para sua cara, o pai acha que essas comemorações são muito de fachada, e eu concordo...
Presentear, até presenteio, mas se estou passando em um lugar e vejo algo que lembra a pessoa, sem me importar com datas.
Prefiro essas surpresas inesperadas.

maray said...

Estranhei isso de presentes quando estive na europa pela primeira vez ano passado e levei presentinhos pra todos os amigos virtuais que conheci pessoalmente ( a propósito, está em nossos planos ir pra itália ano que vem!). Eles estranharam! Sempre dou e trago presentes de viagens. É um costume aqui, né?
Quanto ao meu aniversário, é uma coisa triste. Porque é encravado entre um monte de festas e ninguém tem condições de comemorar mais uma: aniversario em 27 de dezembro. O povo nem se recuperou do natal e já pensa no reveillon e eu fico assim: chupando o dedo e fazendo bico porque ninguém me liga :)

Elvira said...

Oi Allan.

Não gosto muito de comemorar o meu aniversário, tanto que no trabalho fico bem quietinha. Mas não tenho problema em falar a minha idade.

Ah! Também gosto de dar presentinhos para os amigos mais chegados.

Bjs.
Elvira

Ana Maria said...

Bem interessante a sua explicação sobre o consumo de leite em pó. Nem imaginava.

Não gosto de comemorar o meu aniversário, também fico quieta no trabalho. Só uma vez fizeram uma festa surpresa, aí não deu para escapar!! A última vez que eu quis festa foi aos 11 anos.

Lembro que na minha infância os melhores aniversários eram de uma família de portugueses, só tinha Tang e bolacha e todo mundo adorava. Não precisa gastar tanto, o importante é que as crianças estejam reunidas e possam se divertir juntas, sem tantos adultos presentes.

E no Natal se usa dar muitos presentes para adultos? Levo cada susto quando vejo lojas que não vendem brinquedos, com filas kilométricas para entrar e fico pensando qual é a necessidade de dar presente para adultos nessas datas.

denise rangel said...

Allan,
também não gosto de comemorar aniversários.Minha filha adora festas e reclama porque fiz pouquíssimas.
Costumo presentear filhos, parentes e amigos a qualquer momento, sem imposição de datas.
abraço, garoto

Borboletas nos Olhos said...

Adoro comemorar meu aniversário. Adoro divulgar meus 35 anos bem felizes. Adoro dar e receber presentes. E no chance de passar em branco sem uma baita e barulhenta reunião. Enfim, parando de falar de mim e voltando-me pro texto: adorei o post inteiro! Mas de tudo, não posso deixar de destacar (estou rindo até agora): "Sou gagá desde sempre". Espetáculo de frase. Eu também sou gagá desde que me lembro. Um beijo e obrigada por sua visita (eu sou uma estrangeira até em mim mesma, mas em dias que isso bate mais fundo).

Lucia Malla said...

Puxa, eu ADORO comemorar aniversário. Mesmo quando estou expatriada, quando todos ao redor não dão a mínima, eu tento fazer algo, nem q seja comprar um colar de flores, só pra não passar em branco. :)

Juliana Rossa said...

O Allan!
Eu adoro comemorar meu aniversário! Só falta eu pedir para fazerem uma festa surpresa para mim mesma! Hahahaha!
Acho o aniversário uma data muito especial, que nos faz perceber o quanto somos importantes para parentes e amigos.
Nunca comemorei o meu aniversário aqui na Itália (é no dia 2 de julho), mas imagino que aqui não seja tão legal como vc falou.
Bjs!

Lili Detoni said...

Allan!!! Eu amo fazer aniversário!!! Tenho 48 anos, mas digo que tenho seis, pois renasci após a cura de um cancer, e por isso comemoro cada vez mais! Achei chato os italianos não comemorarem, mas, continuo adorando os italianos! (kkkkk!)
Desejo muita saúde para a Eloá e para vc também, viu? Adorei seu comentário sobre minha bonequinha retrô! Acho que em breve ela será vendida aí na Itália! UUHHUUUU!!!! Grande abraço de sua amiga que também é gagá desde que nasceu!
Bacio!

Ágatha Alves said...

Nossa e eu achava que eles eram caloroso assim como nós, muita festa, abraços, risos, sabe aquela coisa que sempre acontece nos domingos, cerveja e churrasco, familia reunida sem hora pra ir embora.
Mas é neh, a cultura muda muito de um país par ao outro, até mesmo em coisas simples. Acho estranho, mas se eles são assim né...

Beijão Allan

deco said...

Eu concordo com a Carol, lá em cima... Eu não gosto de comemorar aniversários e tbm não sou muito fã de comemorações. Acho que vira uma falsa comemoração em alguns casos.
Qto a presente, é bem isso tbm... Eu odeio ir as compras com esse objetivo. Sou muito mais de estar andando, em uma data qqr, e achar um presente que combine com alguém e comprar.
Allan, isso tudo que vc relatou me disseram que ainda é menor na Italia, que em países mais "frios" a coisa é pior. Um amigo da Inglaterra me disse que lá não se comemora nada mesmo. Que os ingleses são educados, porém muito "frios" e individuais.
É isso aí... abraços e parabéns a todos aniversariantes (o meu foi em setembro!!!)

Meg said...

Ai, Allan, eu me sinto muito chata porque todo mundo foi diretamente ao ponto, responder à sua pergunta. Está certo, é assim que deve ser. Mas eu fiquei presa mesmo é com a sua descrição das coisas, das diferenças, das intenções - e que me perdoem os demais, mas não acho *frieza* nem pãodurismo (preciso comprar urgentemente uma gramática nova). Acho que hoje, em todos os lugares, ou não se comemora OU se comemora com um número bem restrito de pessoas, as que mais importam, ou mesmo só a família.
Quando se é criança ou adolescente, aí sim, enche a casa, a pizzaria, a lanchonete: não pela importância do aniversariante, do aniversário, mas pela "farra" de estarem juntos e pela diversão que lhes é própria.
Bom, *euzinha* a-do-ro fazer aniversário e adoro ganhar presente(s), seja o que for, eu adoro mesmo olhar pras mãos de quem chega hahahah (por ex adoro cartoleria:-) hmmm). Outra coisa que adoro são as palavras que me dizem, desde o formal e protocolar "Parabéns, Meg" até aqueles semidiscurso, com palavras bonitas, certeiras e - quem sabe, se possível,sinceras. Fico às vezes tão nervosa (especialmente se me cumprimentam pelo telefone), que nem deixo os outros falarem, fico agradecendo a lembrança, o gesto, de falarem comigo, e fico dizendo repetidamente "obrigada por se lembrar de mim", que quando acaba o telefonema, só eu falei hahaha.
Adorei a resposta da maray. Eu conheço gente , até mesmo crianças - que dó- que fazem aniversário nas férias e aí não vai ninguém. E quem faz aniv, no perído de Natal. Eu, é bom dizer, faço aniv. no mês mais lindo do ano, junho, 23 (soslticios e equinócios, né?.
Pronto já derramei a cachoeira de palavras, desculpe, querido Allan.
Beijos
P.S> Depois, por favor, me diga o seu, tá bem?

Anonymous said...

Sorte sua que entre nós a participação é virtual, senão a conta ficaria bem cara, não é?

Gosto de comemorar o aniversário dos outros, o meu não. Este ano cedi às pressões e comemorei no Bar do Marcô, em Santa Tereza, nada muito grande, cerca de sessenta pessoas.

Parabéns a Eloá!

Manoel Carlos

Amanda Dorian said...

Nossa Allan essa é uma das coisas que eu achei muito estranho aqui! Eu ADORO comemorar meu aniversário cercada de amigos em uma festa muito animada. É o único jeito de me sentir um pouco menos triste pelos anos que passam tão rapidamente! Mas aqui eles não fazem festa. Que chato! Por outro lado tem essa história do onomástico que eu acho uma bobagem só. Não me acostumo com a idéia.