Monday, July 12, 2010

A Copa que excluiu a arrogância

Tenho observado uma mudança na direção oposta de certos valores. Uma pessoa corajosa, com opinião própria e personalidade forte pode haver uma certa dose de arrogância. É o tipo de pessoa admirada, copiada e, muitas vezes, invejada. Mas quantas vezes ouvimos dizer que alguém é admirado por ser arrogante, como se fosse uma qualidade a mais? “Talentoso, de sucesso e arrogante. Quer motivo melhor para gostar desse cara?”, é uma frase que tenho ouvido ou lido com certa frequência.

Para não falar sobre as atitudes do Dunga, o técnico da seleção brasileira na Copa da África – pois muito se falou sobre a arrogância dele – nem malhar o arrogante técnico da Argentina (Mardona) ou do mais arrogante de todos, o técnico da França (Domenech), vou contar a cena italiana após a exclusão da seleção Azzurra da mesma competição ainda na fase inicial, apesar de toda a arrogância com a imprensa e ao referir-se aos demais times. O técnico Marcello Lippi em entrevista coletiva disse: “Assumo toda a responsabilidade pelas escolhas na formação do time e pela preparação que nos levaram à exclusão como a última seleção da nossa chave. Sou eu o único culpado por esse resultado desastroso.” Pronto, estava ali toda a explicação para toda e qualquer pergunta que os jornalistas gostariam de fazer. Esse mea colpa pegou todos de surpresa. As poucas perguntas foram respondidas sempre da mesma forma e Lippi saiu rápido da sala onde acontecia a entrevista. Aos que se atreveram tentar entrevistá-lo nos dias que se seguiram, Lippi respondia de modo agressivo que tudo o que deveria dizer já teria sido dito e que não havia nada a adicionar. “Me deixem em paz!”, concluía quase gritando.

Se analisarmos os quatro finalistas desta Copa, identificamos estilos mais afáveis dos respectivos técnicos. O da seleção do Uruguai (Oscar Tabárez) já treinou times italianos e é tido como uma pessoa tímida e de pouco sucesso; o da Alemanha (Joachim Löw) teve a coragem de incluir onze jogadores que não nasceram na sempre orgulhosa Alemanha e exibia seu sorriso e estilo jovial em entrevistas e durante os treinos; a sisudez do técnico holandês (Lambertus “Bert” van Marwijk) não deve ser confundido com arrogância, apesar de algumas respostas ríspidas. Os jogadores dizem que ele ouve muito o time, pondera e explica as suas decisões antes de entrar em campo; o técnico da Espanha (Vicente Del Bosque) ganhou tudo o que podia com o Real Madrid e mesmo assim é sempre disponível.

Se quisermos vencer a próxima Copa em 2014, que acontecerá no Brasil, devemos escolher um técnico com muita experiência, com auxiliares capazes, incluindo alguém que dê apoio psicológico aos jogadores, como aconteceu em 2002 e, considerando o estilo Dunga, alguém que cuide de relações públicas e um profissional da moda que instrua o técnico – Quem diabos vestiu o Dunga daquele jeito? A imagem que Dunga deixou na África se assemelha à de Hitler.

Sun Tzu já ensinava no seu “A Arte da Guerra”: “Aparente inferioridade e provoque a arrogância do inimigo”. Esse sentimento de suposta superioridade, que despreza opiniões alheias acaba gerando ódio e um número cada vez maior de pessoas que irão torcer pelo fracasso do arrogante. “A auto-confiança em excesso pode ser confundida com arrogância, e confusões não são produtivas” (Alisson Davidson). Esta Copa ensinou que os arrogantes nem sempre terão sucesso e que a queda de um arrogante é mais dolorida. Sim, a altivez, a coragem, o talento, o conhecimento e a competência devem ser admiradas e perseguidas. Mas uma pitada de humildade impede inimigos gratuitos e gera simpatia. Ou, para terminar esta carta e esse parágrafo de citações, recorro a Jeocaz Lee-Meddi: “O mundo admira a arrogância nos homens, mas não a suporta.

8 comments:

Izabel said...

Pois é...mais uma vez BINGO...suas palavras foram certeiras.
Uma das coisas que eu ouvi dos jogadores espanhóis à respeito do seu técnico é de que ele seria para todos eles, um verdadeiro pai. Pai que aconselha, que corrige, que exige disciplina e dedicação e que acima de tudo, sabe que a humildade é companheira fiel do amor que constrói e edifica.

Apareça mais vezes!

meire said...

Nao suporto arrogancia, e nesta copa vimos muita gente arrogante...
Falando do guarda roupa do Pequeno Principe...ooops Dunga, ele foi orientado pela filha, que é stilista.

Bjs

peri s.c. said...

Nosso Exmo. Sr. Presidente, reconhecido pé-frio no setor esportivo, já decretou em entrevista que " a Copa de 2014 tem que ser nossa de qualquer jeito " . Só é preciso saber se as outras 31 seleções concordam com isso, eh, eh.

Ou seja, começamos mal de novo . Numa Copa normal, investidos do tosco e arrogante raiocínio que somos os " melhores do mundo ", o clima de pressão já é monstruoso sobre o técnico ( alguns , como o Dunga, merecem, enfim ).
Tenho dó antecipada de quem enfrentará no cargo a próxima jornada.
O único capaz de encarar a tormenta de frente é o Mr. Big Phill, o Felipão.

myra said...

nao somente arrogante mas brutais tambem,,,,otimo texto, Allan!
abraço

Ágatha Alves said...

Gostei do texto
vc disse tudo
eu odeio a arrogancia, parece q quer ser superior a vc, melhor do q vc
eu n aguentava ver entrevista do dunga.

Beijos

Luma Rosa said...

Ninguém gosta de arrogância, nem mesmo os arrogantes!! A ocasião é que tivemos que suportar, mas verdade seja dita, se o Brasil tivesse resgatado o título para si, pouco importaria a arrogância do técnico. Ser arrogante e eficiente, contanto que não interfira negativamente tudo bem, mas não aplaudo! Apenas se tolera em funçao de.
O casaco usado por Dunga na estréia da Seleção era um Herchcovitch! As outras roupas, sei não! Tu prestou atenção nisso? (rs*) Beijus,

Meg said...

Que grande verdade que sintetiza tudo que se possa pensar e senir sobre arrogancia.
Para a querida Luma, o guarda roupa de Dunga foi assunto de milhares de matérias, uyma do UOL mostrou em fotos. Ele disse que as melhores roupas era quando sua filha dava umas *SUGERÊNCUAS*. Vai ver existe essa palavra em gauchês.
No mais concordo com arrogancia aliada à eficiencia.
****
Para vc Allan, já sou sua seguidora no Minube, ufff mereço uma medalha ou uma pizza.:-)

No mais adorei o post sobre pronuncia italiana.
Mas quer saber? Como eu me pelo do medo de la doppia,Allam, la doppia.. Accidenti!
Um beijão para meu amigo cosmopolita(n)
Meg

Meg said...

Corrigindo: Allan!