Sunday, December 07, 2008

Pelas calçadas

Já vi turistas reclamando do material usado nas calçadas italianas. Obviamente eram turistas que vivem em regiões mais quentes e que visitam a península no verão, pois basta a primeira neve para esclarecer qualquer dúvida. Normalmente as calçadas possuem pedras ásperas, que fornecem um efeito anti-derrapante se molhadas ou com neve.

Mas andar por essas calçadas exige experiência, ou não se justifica o hábito de empurrar carrinhos de bebês com crianças de até três anos. É necessário, também, prestar muita atenção naquilo que se encontra pelas calçadas. Observando o chão, pode-se desviar das lembranças caninas esquecidas pelo caminho e da desagradável situação de ter que limpar o sapato com lenços de papel. Assim como pode-se decidir caminhar pela rua, a fim de evitar encontrar-se no trajeto entre os pombos empoleirados nos telhados e o chão. O cantor Lucio Dalla, numa canção que celebra a cidade de Bolonha, se questiona por que até mesmo no escuro voam os pombos. Eu adicionaria uma outra questão: por que os pombos não migram? Aliás, o centro de Bolonha pode ser visitado mesmo em dias de chuva, pois a maioria das calçadas ficam sob pórticos, como também lembra Dalla.

Em algumas ruas as calçadas não existem, em outras, são tão estreitas que mal se pode caminhar por elas. E nos centros históricos não é raro que as calçadas sejam apenas alguns centímetros mais altos que a rua. Mas em qualquer calçada será sempre proibido circular em bicicleta, apesar da insistência de alguns ciclistas.

Em italiano se diz marciapiede, plural marciapiedi, de gênero masculino e deriva do francês marcher = caminhar; à pied = a pé. Apesar de ser usada desde a antiguidade, a calçada foi abolida durante o período medieval, época em que as ruas eram construídas com um córrego central para facilitar a limpeza de lama e lixo. Segundo o código italiano de trânsito, também é proibido a circulação ou estacionamento de veículos sobre os marciapiedi, mas basta uma passeada por Roma para perceber que poucos conhecem ou respeitam o tal código.

Sentar-se na calçada para bater papo, só nas noites de verão em frente aos bares. Ninguém resiste ao frio desses dias e as ruas estão sempre ocupadas por carros e mais carros. Além disso, neste outono atípico – ao menos se comparado aos outonos dos últimos anos – a neve tomou conta das calçadas e não só. O que obriga comerciantes e moradores à atividade extra de liberar a calçada da neve, para evitar complicações com pedestres e a justiça. Nem os donos de cães estão livres de deixar a calçada limpa, mas se não houver um policial por perto, a maioria finge desconhecer essa outra regra. E os pombos nunca acertam esses cidadãos espertinhos.

Para dar uma voltinha pelas calçadas de Bolonha, visite este link, clique nas bolinhas azuis no mapa da cidade e mova o mouse na imagem que aparecerá. Bom passeio!
.

10 comments:

Ulisses Adirt said...

Já reclamei do desrespeito nas calçadas aqui de São Paulo por diversas vezes (a última foi na semana passada – http://incautosdoontem.opensadorselvagem.org/2008/11/solucao-simples.html –, mas tenho diversos exemplos para mostrar – http://incautosdoontem.opensadorselvagem.org/page/2?s=cal%C3%A7ada+para+que). De qualquer modo, as melhores fotografias sobre o assunto, eu encontrava neste fotolog: http://paginas.fotolog.ig.com.br/ig/61/17/946001/fotolog/

Pena que o autor parou.

Manoel Carlos said...

Você é cultura, de uma caminhada a um lanche, tudo se transforma em aula de usos e costumes.

Georgia said...

Allan, haja bolinhas azuis para ser clicada. Meu filho perguntou pela torre de Pisa, tive que explicar a ele o que estava acontecendo por aqui.

Lindas imagens.

Vc na pode imaginar o que eu encontro todos so dias bem cedo quando estaciono o carro em frente ao Jardim da Viviane. Ali, é banheiro de cachorro, uma desgraca só.
O alemao tem tanto cachorro que existe banheiro de cachorro espalhados pelos jardins das cidades.

Detesto pombos.

Boa semana

Yvonne said...

Allan, adoraria conhecer a Itália.
Beijocas

luzdeluma said...

Me pediu a instalação de um plugin para acessar as bolinhas. Não vi as calçadas!! :(
Conhece a rua das pedras em Búzios? Acho que não tem lugar pior para andar.
Quanto às fezes dos cães é mesmo nojento quem não se conscientiza. Aqui, quando caminho com o meu cão, levo pazinha para coleta.
Quanto aos pombos, eles invadem! Podem causar doenças respiratórias seríssimas e já ouvi dizer que para controlar a população, somente com anticoncepcional. Isto não sei realmente.
Boa semana! Beijus

Georgia said...

Cara nova por aqui???

luzdeluma said...

Allan, vou conversar com a Sam para ver se dá para unir as duas blogagens em uma só. Tudo bem? Beijus

Cadinho RoCo said...

Em cada lugar a presença de particularidades que nem sempre conseguimos percber asim num primeiro instante.
Cadinho RoCo

Ana said...

Linda a Bolonha, adorei o link. E a reflexão sobre as calçadas...
Outro dia fiquei sabendo q nas calçadas da região hospitalar de BH é onde se encontra o maior índice de ESCORPIÕES da cidade. Estranho, não?
Não temos b. de cachorro por lá, já que é bem central. Mas ESCORPIÃO solto por aí, tem a rodo.
rsrs
Beijo
Ana Letícia.
www.mineirasuai.blogspot.com

anamaria said...

cada vez que leio seu blog fico mais fascinada com a facilidade que vc tem de distrair seu leitor sempre com informação e cultura. Parabens. Abçs. Passei o mouse por todas as bolinhas azuis. Adorei.