Sunday, June 08, 2008

Mudanças

Todos os anos, mais ou menos na segunda metade de abril, acontece a “limpeza de primavera”. É o momento de guardar as roupas de frio, edredons e tudo o que foi necessário no inverno, mas que agora ocupa espaço. E é quando os maridos tiram uma semana de férias para pintar a casa, fazer pequenos consertos e comprar as plantas que sobreviverão nos apartamentos até a metade do outono.


Nestas manhãs um pássaro preto (merlo) canta insistentemente no telhado do convento, que fica a uns 30 metros do balcão do meu quarto. A cidade é cheia deles e me sinto em paz por vê-los livres a fazer algazarra e não em gaiolas, como é costume no Brasil.


Outra parte da cidade. No telhado do depósito, cinco ou seis merli - plural de merlo – construíram seus ninhos. Passam o dia a agitar as asas, caçar insetos para alimentar os filhotes e refazer os ninhos após uma chuva ou vento. A empresa fechou. O pátio onde antes circulavam caminhões em operação de carga e descarga, agora é usado como campo de batalha pela disputa de ramos secos. E eles não param o dia inteiro, sempre cantando, indiferentes à ausência dos trabalhadores e à falta de movimento.


administração ou dolo. Ou os dois. O certo é que a empresa foi morrendo nos últimos seis meses, o número de funcionários foi diminuindo até não restar mais nenhum. Aliás, no sobrado ao lado, onde funciona o setor administrativo, ainda tem algum movimento, além do diretor (que deve cumprir um ano de aviso prévio), da Guardia di Finanaza e fiscais que vêm verificar possíveis fraudes. Quando as acharão, o diretor certamente irá desaparecer, mas os funcionários se foram. Na época em que funcionários e merli se misturavam, a algazarra era maior. Limpeza de primavera


Uma hora da tarde. O sol enxuga pequenos ramos no pátio vazio. Dou uma baforada no charuto entre os dedos e observo os pássaros na incansável atividade de alimentar, limpar e refazer. Cantar. Não sei se conseguirão alugar o imenso depósito a alguma outra empresa nesses tempos bicudos da economia italiana, mas os pássaros pretos estarão aqui, no próximo ano, a reconstruir seus ninhos e alimentar seus filhotes. São pássaros e é primavera.

.

9 comments:

daiza said...

Que imagem bonita!
Aqui também tem invasão de pássaros mas notei que aumentou bastante a quantidade de pombos! Ultimamente limpo coco de pompo do meu balcão, coisa que nunca tinha acontecido. Bom domingo, apesar da chuva insistente...

Lunna Montez'zinny said...

A primavera e suas liberdades. Mas confesso que estou com saudades do outono, de comer queijo com vinho na beira da lareira, mas cá estou e não tem como voltar, ao menos não por enquanto, se bem que eu só preciso de uma chuva e sei que em breve haverá gotas prateadas colorindo a paisagem...
Abraços caríssimo

Luma said...

Os melros e algumas outras aves, como os pintassilgos e os rouxinóis, quando são encarcerados, envenenam os filhos. Muitas vezes, quando deixam-os vivos, arrancam-lhes a língua! Por isso na fazenda sempre os deixamos livres. Vê que em gaiolas estão solitários e não cantam mais.

Bem-vinda a primavera!!

Olha, com ou sem chapéu é Clint e pronto! hum...o nosso brazuca Antonio de Teffè/Anthony Steffen, só existiu com chapéu!

Boa semana! Beijus

evipensieri said...

Oi Allan,

Espero que por causa do fechamento da empresa eles não percam a casa ...

Bjs.
Elvira

Claudio Costa said...

A natureza, os pássaros, a vida: tudo tem seu ciclo: vida, morte, renascimento. Se ao inverno associamos ausência de vida, é puro engano. Se, porém, à primavera emprestamos esperanças infinitas, logo o ciclo recomeça. Inda bem que temos o canto dos melros, que a uns parece melancólico e a outros trazem lembranças alegres. Quanto à empresa, como coisa dos homens, não terá renascimento, já que feneceu por inépcia humana.

Beta de felippe said...

Mais do que a Primavera, te ler me dá uma sensação de liberdade.

Georgia said...

Allan, você com essa baforada de charuto já espantou o pessoal da firma ai ao lado, qualquer dia estará espantando os pássaros, hahahhahaha, brincadeira.

Mas essa sensacao de ter os pássaros livres, eu também a tenho aqui, acordo com eles e é muito bom.

Bom fim de semana prá vocês

Magui said...

Tem razão, os pássaros enfeitam e alegram.Na minha casa existem inúmeros voando e cantando em uma diversidade sem fim.Na amoreira em frente à janela da cozinha eu vejo a visita de sanhaçus, garrinchas,bem-te-vis, beija- flores, joões de barro, anus, pardais que veem comer as frutinhas e não deixam nenhuma para mim.Só deixo o pé no lugar para eles porque eu mal consigo pegar algumas no chão já beliscadas.

Paula said...

Em Napoli embora tanto lixo no meio das ruas, no meu apartamento eu sempre encontrava alguns passarinhos comendo o resto de biscoitos que a Giulia espalhava pelo chao. Tudo bem que além dos passarinhos era facil também encontrar ratos e baratas, mas por sorte, nunca no meu ap. Ja aqui.. limpeza total, passarinhos livres ou em grandes gaiolas na chacara onde moro, galinhas cantarolando o dia todo, mas na minha casa so entra lagartixa.
Beijao!